Quem utiliza redes sociais com frequência já deve ter visto algum conteúdo violento contra a própria vontade. Desde o início do conflito entre Israel e Hamas, imagens e vídeos de teor extremo têm sido compartilhados em todas as plataformas. Se você busca maneiras de atenuar a visibilidade dessas publicações, confira as dicas abaixo.

Leia abaixo:

publicidade

Como evitar conteúdos extremos nas redes sociais

WhatsApp

Texto para ilustrar matéria sobre redes sociais
Imagem: Mika Baumeister/Unsplash

Você pode impedir que arquivos compartilhados por contatos e outros usuários sejam guardados automaticamente no seu smartphone ou no seu tablet. Para isso, encontre as “Configurações” do aplicativo e clique em “Conversas”. Depois, desative a opção “Salvar em Fotos”.

Outra possibilidade é denunciar os materiais inadequados. Com esse intuito, pressione uma mensagem recebida e toque em “Denunciar”.

publicidade

Instagram

Texto para ilustrar matéria sobre redes sociais
Imagem: Kenny Eliason/Unsplash

Abra o Instagram e clique no ícone do seu perfil que fica na parte inferior. Depois, toque na três linhas horizontais da parte superior.

Em “Configurações e privacidade”, siga a seguinte ordem de opções: “Sugestão de conteúdo” > “Conteúdo sensível” > “Menos”. Ao ativar esta última, o aplicativo tentará frear a entrega de material extremo.

publicidade

Tiktok

Imagem: Solen Feyissa

O TikTok tem uma opção que se chama “Modo restrito”. A função atenua a chegada de conteúdos gráficos ao seu feed. Para ativá-la, entre na sua conta e toque no ícone do seu perfil. Depois, clique nas três linhas horizontas que ficam no canto superior da tela.

Em “Configurações e privacidade”, procure a opção “Preferência de conteúdo” e ative o “Modo restrito”. O usuário precisará criar um código de quatro dígitos para ligá-lo.

publicidade

Facebook

Texto para ilustrar matéria sobre redes sociais
Imagem: Dawid Sokolowski/Unsplash

Com o Facebook aberto, toque no ícone do “Menu” que fica na parte inferior da tela. Depois, clique no símbolo de engrenagem, na parte de cima, ou em “Configurações e privacidade”. Logo após, vá para “Configurações”, abra as “Preferências” e aperte “Mídia”.

Por fim, no setor de “Reprodução automática”, selecione a opção “Nunca reproduzir vídeos automaticamente”. Isso evitará que você se depare com conteúdos indesejados ao rolar o feed.

X (anteriormente denominado Twitter)

Texto para ilustrar matéria sobre redes sociais
Kelly Sikkema/Unsplash

Acesse sua conta na versão para navegador. Na barra lateral, clique no círculo que contém três pontos. Depois, siga a seguinte ordem de opções: “Configurações e suporte” > “Configurações e privacidade” > “Privacidade e segurança” > “Conteúdo que você vê”. Por fim, desmarque “Exibir conteúdo multimídia que pode conter material sensível”.

Você também pode impedir que vídeos sejam reproduzidos automaticamente. Para isso, siga os passos anteriores até “Configurações e privacidade”.

Em seguida, clique em “Acessibilidade, exibição e idiomas”. Para concluir, vá para “Uso de dados” e abra a opção “Reproduzir automaticamente”: marque “Nunca”.

YouTube

Imagem: Azamat E/Unsplash

Na versão para navegador, clique em qualquer vídeo e passe o mouse por cima do conteúdo. Depois, opte por desativar o pequeno botão com símbolo de “pause/play” para evitar que outro link abra automaticamente após o fim do que foi assistido.

No aplicativo, toque na foto do perfil que fica na parte superior da tela. Logo após, vá para “Configurações”. Clique em “Reprodução automática” e desative a preferência “Smartphone/tablet”.

Em seguida, volte para a área de “Configurações” e abra a opção “Geral”. Para finalizar, ative o “Modo restrito”.

Falha das redes sociais

Por causa do fracasso em frear a disseminação de imagens e de vídeos extremistas, a União Europeia está exigindo que a Meta e o TikTok informem detalhes sobre as suas posturas diante do compartilhamento desses conteúdos. A Comissão do bloco econômico espera que as respostas sejam entregues até o dia 25 de outubro.

*Com informações do The Washington Post e da Reuters.