O Telescópio Espacial Hubble capturou mais uma incrível imagem de nosso Espaço. Dessa vez, o equipamento flagrou uma galáxia ofuscada por outras duas maiores e que estavam em processo de fusão.

Há quase 500 milhões de anos-luz da Terra, encontram-se um par de galáxias conhecido como Arp-Madore 2339-661. Elas estão se fundindo, segundo a Agência Espacial Europeia (ESA, na sigla em inglês). O Space.com destaca que uma é a galáxia NGC 7733, que se encontra na direita inferior da foto, enquanto a outra é a NGC 7734, localizada no canto superior direito.

publicidade

Leia mais:

Porém, no braço em espiral da NGC 7733 encontramos outra galáxia que está escondida, chamada de NGC 7733N. Até então, esse “time” não aparecia para nós por serem atrapalhadas por poeira escura.

publicidade

Com os dados do Hubble, os astrônomos detectaram estrutura semelhante a um nó com forte brilho vermelho que se destaca das brilhantes cores estrelas azuis da NGC 7733.

Isto [estrutura] poderia facilmente passar como parte da NGC 7733, mas a análise das velocidades [velocidade, mas também considerando a direção] envolvidas na galáxia mostra que este nó tem desvio para o vermelho adicional considerável, o que significa que é muito provável que seja sua própria entidade e não parte da NGC 7733.

ESA, em comunicado

Confira, abaixo, a bela imagem:

publicidade

NGC 7733 e NGC 7734 estão se fundindo; no braço em espiral de NGC 7733, encontra-se NGC 7733N, que tenta se “esconder” desse caos (Imagem: ESA/Hubble & NASA, J. Dalcanton, Dark Energy Survey/DOE/FNAL/NOIRLab/NSF/AURA; Acknowledgement: L. Shatz)
  • Todas as três galáxias se encontram relativamente próximas umas das outras na constelação Tucana;
  • Elas também interagem gravitacionalmente entre si;
  • A imagem acima mostra um intercâmbio de material entre NGC 7733 e NGC 7734, que se transformarão em uma única galáxia, ainda maior;
  • Conforme elas se aproximam, a atração gravitacional da NGC 7734 suga gás e poeira da galáxia menor.

Na verdade, este é um dos muitos desafios que os astrônomos observacionais enfrentam: descobrir se um objeto astronômico é realmente apenas um, ou um objeto situado em frente de outro, visto da perspetiva da Terra!

ESA, em comunicado