Cientistas da Universidade do Arizona (EUA) relataram que o mistério da colisão misteriosa na Lua foi solucionado. Um estudo recente concluiu que o objeto responsável foi o estágio superior do foguete chinês Long March 3C, utilizado na missão Chang’e 5-T1 em outubro de 2014.

Ao longo de semanas, astrônomos acompanharam o foguete e previram com precisão onde e quando ele colidiria com a superfície lunar. A colisão resultou em cratera dupla de 29 metros de largura. Apesar de ter sido inicialmente sugerido que o objeto era o estágio superior do foguete Falcon 9 da SpaceX, novas análises confirmaram sua real identidade.

publicidade

Leia mais:

Análises revelam detalhes

  • Conforme o Space.com, o estudo também revelou que o objeto estava girando de forma estável durante a colisão, o que sugere que possuía uma estrutura de “haltere” com massa considerável em ambas as extremidades;
  • Contudo, ainda não foi possível determinar com certeza o que era essa massa adicional;
  • As autoridades chinesas alegaram anteriormente que o estágio superior do Long March 3C havia queimado na atmosfera da Terra após o lançamento da missão Chang’e 5-T1, mas o Comando Espacial dos EUA negou essa afirmação.

Segundo Tanner Campbell, estudante de doutorado no Departamento de Engenharia Aeroespacial e Mecânica da UA e demais pesquisadores, “Neste artigo, apresentamos uma trajetória e análise espectroscópica usando observações de telescópios terrestres para mostrar conclusivamente que o WE0913A é o corpo do foguete Longa Marcha 3C (R/B) da missão Chang’e 5-T1”.

publicidade

A descoberta da colisão e a identificação do objeto serão importantes para futuras missões de exploração lunar. Compreender a natureza das colisões lunares é fundamental para melhorar a precisão de futuros lançamentos e aumentar a segurança das missões na superfície lunar.

O estudo foi publicado nesta quinta-feira (16) no Planetary Science Journal.