De acordo com novos detalhes da investigação sobre a colisão entre dois aviões no aeroporto de Tóquio, no Japão, os pilotos da aeronave levaram algum tempo até perceber o incêndio que resultou em uma explosão instantânea e uma bola de fogo na pista. Segundo informações da AFP, eles só notaram o fogo após aviso dos tripulantes. 

O que você precisa saber: 

publicidade
  • Na terça-feira (2), um avião da Japan Airlines colidiu com uma aeronave da Guarda Costeira parada na pista do aeroporto de Haneda, em Tóquio; 
  • A colisão resultou na explosão das duas aeronaves, além de um grande incêndio na pista de pouso; 
  • Cinco dos seis ocupantes da aeronave da Guarda Costeira morreram, mas todos os 379 ocupantes do voo da Japan Airlines sobreviveram; 
  • Segundo especialistas, o treinamento dos comissários de bordo do avião foi fundamental para salvar os passageiros; 
  • Ação rápida do chefe dos comissários para abrir saídas de emergências e eficiência da tripulação foram cruciais para alertar pilotos e salvar a todos. 

Leia mais! 

Os passageiros parecem ter seguido as instruções ao pé da letra.  

Terence Fan, especialista na indústria aérea, à AFP. 

Conforme atualizações divulgadas nesta quinta-feira (4), os pilotos estavam, no entanto, sem comunicação interna e, por isso, não souberam do incêndio ou puderam autorizar o uso da saída de emergência adicional (a única que não havia sido afetada pelo fogo). Conforme treinamento, os comissários então usaram a porta sem a permissão em caráter de emergência. 

publicidade

Além da falha da comunicação, foi observado também que os semáforos da pista estavam quebrados, o que pode ter prejudicado a visão dos pilotos no que diz respeito a colisão. 

Segundo boletim de reguladores dos Estados Unidos sobre o aeroporto de Haneda feito antes do acidente, há uma faixa inteira de semáforos da pista fora de serviço, mas havia um aviso aos pilotos sobre a falha. 

publicidade

A Guarda Costeira disse que o piloto da aeronave — o único sobrevivente e internado em estado grave — recebeu permissão para taxiar na pista. Transcrições das comunicações dos controladores de tráfego aéreo divulgadas pela imprensa, no entanto, apontaram que o comando orientava permanência em parte diferente da do avião da Japan Airlines, que também tinha o aval para pousar. 

Conforme nota da JAL, a evacuação completa do avião levou 18 minutos, com o piloto sendo o último a sair. Logo depois, o avião foi engolido pelo fogo. 

publicidade

Começo do ano no Japão

Vale lembrar que o acidente ocorreu na mesma semana em que o Japão enfrenta uma série de terremotos. Atualmente, já são 73 mortes, além de casas destruídas e estradas bloqueadas. Saiba detalhes aqui!