A descoberta de uma presa de mamute em ótimo estado de conservação surpreendeu pesquisadores. O fóssil de 2,1 metros foi encontrado por mineiros de carvão na Dakota do Norte, nos Estados Unidos. A área foi fechada para permitir que paleontólogos escavassem o antigo leito do córrego onde o material foi localizado.

Leia mais

publicidade

Descoberta rara

  • No total, mais de 20 ossos do esqueleto do animal, incluindo costelas, uma omoplata, um dente e partes dos quadris, foram desenterrados do local.
  • O ótimo estado de conservação impressionou os especialistas, uma vez que normalmente apenas dentes e pequenos ossos são recuperados.
  • Os fósseis foram cobertos por filmes plásticos protetores antes de serem transportados para o Laboratório de Paleontologia no North Dakota Heritage Center e Museu do Estado em Bismarck.
  • Eles serão cuidadosamente limpos e analisados.
  • Em seguida, farão parte de exposições sobre a vida na Terra entre 2,6 milhões e 11.700 anos atrás.
  • As informações são da Live Science.
Presa localizada nos EUA (Imagem: Departamento de Recursos Minerais de Dakota do Norte)

Os animais antigos

Várias espécies de mamutes viveram na América do Norte durante a Era do Gelo, incluindo os famosos mamute (Mammuthus primigenius) e mamute colombiano (Mammuthus columbi). Uma vez que os ossos estejam totalmente limpos, os paleontólogos poderão identificar a qual espécie de eles pertencem.

Os animais foram extintos há cerca de 10 mil anos. O aumento das temperaturas, combinado com a caça humana, levou a enormes declínios populacionais.

publicidade

Os cientistas usaram fósseis de mamutes para saber mais sobre essas criaturas gigantescas. Testes genéticos descobriram que os animais estão mais relacionados ao elefante africano moderno (Loxodonta africana) do que ao elefante asiático (Elephas maximus).

A pesquisa também mostrou que as características distintivas dos mamutes-lanosos, incluindo suas orelhas menores, grandes depósitos de gordura e pelagens fofas, tornaram-se mais pronunciadas ao longo de 700 mil anos à medida que se adaptavam às condições de congelamento.

publicidade

Em 2021, os cientistas sequenciaram o DNA recuperado de restos de mamute e descobriram que o mamute colombiano era um híbrido entre o mamute-lanoso e uma linhagem genética anteriormente desconhecida de mamute.