Em uma participação no Fórum Econômico Mundial em Davos, Suíça, na quinta-feira, o CEO da OpenAI, Sam Altman, abordou a conturbada saga de sua demissão surpresa e recontratação no ano passado, classificando-a como “ridícula” e sugerindo que, em algum momento, é preciso rir da situação.

A OpenAI ganhou destaque com seu chatbot de inteligência artificial generativa, ChatGPT, no ano passado. A empresa experimentou um crescimento exponencial com investimentos significativos, como os US$ 10 bilhões (R$ 49,5 bilhões) da Microsoft.

publicidade

Leia mais:

No entanto, em novembro, a empresa foi abalada por uma crise interna que resultou na perda de confiança do conselho em Sam Altman, levando à sua remoção da empresa. O conselho alegou que ele não era consistentemente franco em suas comunicações, prejudicando a capacidade do conselho de exercer suas responsabilidades.

publicidade

Quase a totalidade da equipe da OpenAI ameaçou renunciar a menos que Altman fosse reintegrado. “Quando o primeiro conselho pediu para eu voltar, minha resposta imediata foi não, porque eu estava irritado”, disse Altman ao público em Davos. “Mas eu também sabia, e havia visto observando a equipe executiva, que a empresa ficaria bem sem mim”, acrescentou.

Preocupações com a Inteligência Artificial Geral

  • Ao falar sobre as lições aprendidas com a saga, Altman alertou que “à medida que o mundo se aproxima da IAG (Inteligência Artificial Geral que poderia aprender tarefas que os humanos podem realizar), o estresse aumentará”.
  • Ele observou que todos parecem ficar “10 pontos mais loucos” à medida que se aproximam da IAG.
  • Altman, que anteriormente alertou sobre o “dano grave” da IAG em fevereiro de 2023, agora adotou um tom mais suave em Davos neste ano.
  • Durante uma conversa com o CEO da Microsoft, Satya Nadella, na terça-feira, ele afirmou que a IAG seria “surpreendentemente contínua”, onde a cada ano é lançado um novo modelo que é muito melhor do que o do ano anterior.

The New York Times x OpenAI

Sam Altman expressou sua surpresa em relação ao processo movido pelo The New York Times contra sua empresa, dizendo que seus modelos de inteligência artificial não precisavam se basear nos dados do jornal.

publicidade

Descrevendo a ação judicial como algo “estranho”, Altman afirmou que a OpenAI estava em “negociações produtivas” com o NYT antes do anúncio do processo. Segundo Altman, a OpenAI estava disposta a pagar “uma quantia significativa” para exibir o conteúdo do jornal no ChatGPT, o popular chatbot de IA da empresa.

“Ficamos tão surpresos quanto qualquer outra pessoa ao saber que eles nos processaram no The New York Times. Foi algo meio estranho”, disse o líder da OpenAI no palco do Fórum Econômico Mundial.

publicidade

Altman acrescentou que não está muito preocupado com o processo e que encontrar uma solução com o jornal não é uma prioridade para a OpenAI. “Estamos abertos a treinar [IA] com o The New York Times, mas não é nossa prioridade”, afirmou Altman diante de uma plateia lotada em Davos.

“Na verdade, não precisamos treinar com os dados deles”, acrescentou. “Acredito que isso é algo que as pessoas não compreendem. Uma fonte de treinamento específica não faz tanta diferença para nós.”