Pesquisadores da TU Wien desenvolveram uma nova técnica que permite moldar cartilagem cultivada em laboratório usando um recipiente chamado de “esferoides” feito com impressão 3D. O método pode ajudar a curar lesões, atendendo às especificidades de cada caso.

Os detalhes sobre o projeto foram divulgados em um artigo publicado na Acta Biomaterialia.

publicidade

Forma impressa em 3D

  • Os “esferoides” são como uma forma em que a cartilagem produzida a partir de células-tronco assume diferentes estruturas.
  • Esses moldes são feitos com impressão 3D e podem se conectar uns aos outros como blocos de construção. Dentro deles as células circulam e crescem, interligando-se entre si.
  • O molde é feito de um plástico biocompatível que estrutura a cartilagem, mas em meses se decompõe, deixando o tecido no formato desejado.
  • Basicamente, a técnica permite substituir cartilagens lesionadas por outras cultivadas no formato adequado a cada caso.
  • Inclusive, para demostrar que o método funciona, os pesquisadores formaram o logo da universidade com células cartilaginosas.

Leia mais:

Adaptabilidade e possíveis usos

Uma das principais vantagens da tecnologia é a capacidade de produzir pequenos pedaços de tecido cartilaginoso sob medida, permitindo tratamentos mais precisos e adaptados às necessidades específicas de cada paciente.

publicidade
Esferoides impressos em 3D – Imagem: TU Wien

A cartilagem é um tecido relativamente simples, o que torna mais viável o desenvolvimento de técnicas para sua regeneração. Não requer vasos sanguíneos, o que facilita o processo de regeneração e evita complicações.

Além disso, a tecnologia pode ser adaptada para trabalhar com outros tecidos além da cartilagem, como o osso, desde que o desafio de incorporar vasos sanguíneos possa ser superado.

publicidade

Oliver Kopinski-Grünwald, autor do estudo, comenta ao New Atlas que até agora a técnica parece ser eficaz. “Conseguimos mostrar que nosso método de produção de tecido cartilaginoso utilizando micro-andaimes esféricos funciona em princípio e tem vantagens decisivas sobre outras tecnologias”, disse ele.