Após o desastre nuclear de Chernobyl em 1986, resta pouca vida nas regiões mais afetadas pela radiação. No entanto, na contramão das previsões, algumas espécies conseguiram se adaptar, incluindo o sapo oriental.

Mas como eles conseguiram sobreviver? Segundo pesquisadores, isso pode estar ligado ao desenvolvimento de uma nova cor de pele.

publicidade

Leia mais:

O que foi descoberto

  • O “Hyla orientalis“, ou sapo oriental, é normalmente verde e brilhante;
  • Em 2016, pesquisadores em Chernobyl encontraram exemplares com pele escura;
  • Após três anos de avaliação, foram identificados mais de 200 parecidos em lagos dentro e fora da Zona de Exclusão de Chernobyl, no norte da Ucrânia;
  • A equipe descobriu que os sapos encontradas na zona de exclusão tinham coloração dorsal da pele “notavelmente mais escura que os de fora“;
  • A pele era mais escura para protegê-los da radiação, apontam os pesquisadores.
Algums sapos orientais na zona de exclusão de Chernobyl têm uma cor de pele mais escura. Crédito da imagem: P. Burraco e G. Orizaola, Evolutionary Applications 2022 (CC BY 4.0)

Sapos com pele mais escura têm mais de um grupo de melanina, o que pode resultar em mais proteção contra a radiação, incluindo a ionizante encontrada em Chernobyl. Funciona basicamente como uma espécie de “tampão contra a radiação”, diz o estudo.

publicidade

“A coloração escura é conhecida por proteger contra diferentes fontes de radiação, neutralizando os radicais livres e reduzindo os danos ao DNA”, acrescenta a pesquisa.

De fato, a cor da pele era mais escura nas áreas próximas da explosão, onde a radiação era elevada no momento do desastre. Os pesquisadores sugerem que os altos níveis de radiação no momento do acidente podem ter gerado uma rápida evolução da espécie.

publicidade

Os sapos com menos melanina, mais vulneráveis ​​aos efeitos da radiação, provavelmente morreram antes da reprodução. Por outro lado, os com pele mais escura tinham maior probabilidade de sobreviver graças à sua melanina protetora, característica que teria sido transmitida aos descendentes.

Os investigadores esperam que estudos futuros ajudem a desvendar os mecanismos genéticos por trás da coloração mais escura dos sapos de Chernobyl, bem como a estabelecer outras possíveis consequências da exposição a longo prazo da vida selvagem à radiação.

publicidade

As informações são do Iflscience.