O Instagram está cada vez mais perto de se tornar fonte de notícias nos Estados Unidos. É o que revela uma reportagem do New York Times publicada nesta quinta-feira (22). Segundo o jornal, além de fonte de notícias, a rede social da Meta tem se tornado fonte de renda para quem encontra formas de surfar nessa onda.

Para quem tem pressa:

  • O Instagram tem se consolidado como uma importante fonte de notícias nos Estados Unidos, segundo reportagem do New York Times. Além de ser um canal informativo, a rede social tem oferecido oportunidades de renda para quem sabe adaptar conteúdo jornalístico para o formato digital, como Mosheh Oinounou e seu Mo News;
  • Influenciadores estilo Oinounou têm transformado conteúdo de veículos tradicionais em posts acessíveis no Instagram, atraindo grande número de seguidores interessados em notícias “descomplicadas” e análises objetivas. Isso redefine a maneira como as notícias são consumidas pela audiência;
  • O número de influenciadores focados em notícias tem crescido apesar da tentativa da plataforma de reduzir a veiculação de “conteúdo político”. Este, digamos, movimento evidenciam a demanda por informações apresentadas de maneira direta e engajadora;
  • Essa nova onda de influenciadores de notícias reflete uma mudança nas preferências de consumo de mídia, especialmente entre as novas gerações. Eles não apenas se apresentam como combatentes à desinformação, mas também mobilizadores de usuários em torno de questões sociais.

Mosheh Oinounou, ex-produtor da CBS, Bloomberg News e Fox News, é um desses espertos. O jornalista transformou seu projeto paralelo durante a pandemia, Mo News, numa empresa com três funcionários em tempo integral e 436 mil seguidores no Instagram. Isso graças à sua habilidade de transformar conteúdo de jornais e newsletters em posts acessíveis.

publicidade

Leia mais:

A relevância do Mo News foi reconhecida pelo Departamento de Estado dos EUA, que ofereceu uma entrevista com o Secretário de Estado, Antony Blinken, destacando a mudança na forma como as pessoas consomem notícias. “As pessoas são muito críticas e cínicas sobre as informações que recebem de veículos tradicionais”, disse Oinounou. Neste contexto, ele aparece como “o cara no Instagram que descomplica as notícias”.

publicidade

Notícias no Instagram

instagram
(Imagem: Nopparat Khokthong/Shutterstock)

Oinounou faz parte de um grupo crescente de personalidades que adaptam e entregam informações de maneira eficaz no Instagram. A sacada é converter o conteúdo publicado por veículos tradicionais, ao invés de produzí-lo do zero. Graças a esse pessoal, a rede social tem se tornado uma plataforma com força emergente no jornalismo. 

Esses influenciadores de notícias, que curam conteúdo e interagem diretamente com seus seguidores, prometem uma abordagem não partidária ao compartilhar notícias e análises. Assim, eles se diferenciam das organizações de notícias tradicionais, enquanto produzem em cima do conteúdo delas.

publicidade

Nos EUA, o Instagram, de propriedade da Meta, tem se tornado um veículo de notícias cada vez mais importante – 16% dos estadunidenses adultos obtém notícias regularmente na plataforma, aumento significativo desde 2018. Isso ocorre mesmo enquanto a rede social tenta minimizar a veiculação de “conteúdo político” devido a acusações de disseminação de desinformação.

Instagram
(Imagem: Primakov/Shutterstock)

Adam Mosseri, chefe do Instagram, anunciou que a plataforma não recomendaria “conteúdo político” a menos que os usuários optassem por vê-lo. Após essa mudança, as contas de notícias viram uma queda significativa no engajamento.

publicidade

Mesmo assim, o número de influencers de notícias – por exemplo: Sharon McMahon e Emily Amick – e páginas como Roca News tem crescido na rede social. Em suma, este grupo se propõe a cumprir duas missões: combater desinformação e mobilizar usuários em torno de questões sociais. Em relação ao modelo de negócios, eles estendem seu alcance na rede social para newsletters e podcasts.

A abordagem direta e personalizada desses influenciadores sugere mudanças na maneira como se consome notícias atualmente. Segundo a reportagem do NYT, essas mudanças são adaptações às novas gerações e suas preferências de mídia.