Em uma entrevista recente, René Haas, o CEO da empresa de design de chips Arm, enfatizou a necessidade urgente de maior eficiência energética em aplicações de inteligência artificial (IA). Haas destacou as crescentes demandas de energia dos modelos de IA, como o ChatGPT da OpenAI, descrevendo-os como “insaciáveis” em relação à sua sede por eletricidade.

IA e consumo de energia

  • Haas observou ao Wall Street Journal que, sem melhorias substanciais na eficiência, os centros de dados de IA poderiam consumir até 25% das necessidades de energia dos EUA até o final da década, um aumento impressionante em relação à estimativa atual de cerca de 4%.
  • Esse cenário, ele alertou, está longe de ser sustentável.
  • O relatório de janeiro da Agência Internacional de Energia destacou o considerável consumo de energia associado à IA, observando que um único pedido ao ChatGPT consome aproximadamente 2,9 watt-horas de eletricidade em média — quase dez vezes mais do que uma busca média no Google.
  • A agência prevê um aumento de dez vezes na demanda de energia pela indústria de IA entre 2023 e 2026.

Leia mais:

publicidade
ia
(Imagem: Deemerwha studio / Shutterstock.com)

Parceria entre EUA e Japão

As preocupações levantadas por Haas surgem em meio a um anúncio significativo dos Estados Unidos e do Japão sobre um programa de US$ 110 milhões destinado a financiar pesquisas em IA em universidades de ambos os países. A Arm, sediada no Reino Unido, juntamente com sua empresa controladora, SoftBank Group, em Tóquio, comprometeu-se com US$ 25 milhões para apoiar essa iniciativa.

Haas enfatizou a importância de abordar esses desafios de energia para acelerar os avanços na pesquisa em IA. Ele expressou otimismo em relação à parceria de pesquisa entre EUA e Japão e seu potencial para desenvolver soluções para esse problema urgente. O financiamento da Arm apoiará esforços colaborativos entre a Universidade Carnegie Mellon nos EUA e a Universidade Keio no Japão.

publicidade

A parceria, liderada pelo embaixador dos EUA no Japão, Rahm Emanuel, segue colaborações anteriores destinadas a avançar a pesquisa em tecnologia, incluindo um programa de US$ 150 milhões EUA-Japão em computação quântica. Emanuel enfatizou a importância da cooperação entre os dois aliados diante da crescente competição em IA e computação quântica da China.

No entanto, Liu Pengyu, porta-voz da Embaixada da China em Washington, criticou os comentários de Emanuel, rotulando-os de irresponsáveis. Pengyu enfatizou o compromisso da China com o empreendedorismo e a inovação, defendendo a cooperação tecnológica que promova a estabilidade e o comércio aberto.