Na manhã de quarta-feira (12), os quatro navios de guerra russos, incluindo um submarino movido a energia nuclear, chegaram ao porto de Havana (Cuba) para visita de cinco dias. Eles ficarão por lá até segunda-feira (17).

Na semana passada, Cuba e Estados Unidos afirmaram que a visita não representa ameaça, mas, segundo O Globo, especialistas entendem que seja uma tentativa russa de demonstrar força, enquanto a escalada de tensões com o Ocidente por apoiar a Ucrânia no conflito entre as nações.

publicidade

Leia mais:

publicidade
Vladimir Putin, presidente da Rússia (Imagem: Salma Bashir Motiwala/Shutterstock)

Visita de navios de guerra e submarino russos a Cuba

  • Segundo o Exército russo, suas embarcações participaram de exercícios no Atlântico durante a viagem a Cuba;
  • Por sua vez, o Ministério de Defesa da Rússia afirmou que a fragata Almirante Gorshkov e o submarino Kazan simularam ataque com mísseis contra navios rivais;
  • Segundo o órgão, o teste contou com simulação computacional de ofensivas com alvos marítimos localizados a mais de 600 km de distância;
  • Hava, por sua vez, localiza-se a apenas 160 km de Key West, Flórida (EUA), onde há Estação Aérea Naval dos EUA.

Armamento pesado

O Almirant Gorshkov está equipado com mísseis hipersônicos Zircon, desenvolvido para equipar cruzadores, submarinos e fragatas da Rússia. Seu poder de fogo é tanto, que ele pode ser usado tanto contra inimigos no mar, quanto em terra.

Segundo Vladimir Putin, presidente da Rússia, o Zircon pode penetrar qualquer defesa antimísseis, voando nove vezes mais rápido que a velocidade do som e podendo chegar a mais de mil quilômetros de distância.

publicidade

Já os outros navios da frota russa são para apoio. Enquanto isso, Cuba relatou que a movimentação dos russos em seu território refletem “ações historicamente amigáveis” entre ambos os países.

O Ministério das Relações Exteriores de Cuba informou que as embarcações não estão equipados com o armamento nuclear. Depois os EUA afirmaram estar “monitorando” a situação, o que, como lembra O Globo, pode representar que o exercício militar russo ser resposta ao apoio dos EUA à Ucrânia.

publicidade

Autoridades dos EUA disseram, ainda, que a presença militar da Rússia em Cuba é notável, mas não preocupante.

Fragata pode ser equipada com armas nuclerares (Imagem: Serviço de Imprensa do Ministério da Defesa da Rússia)

Os navios de guerra russos visitantes são a maneira de Putin lembrar [ao presidente estadunidense Joe] Biden de que Moscou pretende desafiar Washington em sua própria esfera de influência.

William Leogrande, professor da American University, em entrevista à Reuters