Peças de titânio falsificadas podem ter sido instaladas em aviões da Boeing e da Airbus, as duas maiores fabricantes de aeronaves do mundo. A possibilidade foi levantada pela Spirit AeroSystems, que fornece os materiais para as empresas.

Leia mais

Vídeo relacionado

Boeing afirmou estar de prontidão para remover possíveis peças defeituosas (Imagem: VDB Photos/Shutterstock)

Peças apresentavam sinais de corrosão

  • A Administração Federal de Aviação dos Estados Unidos abriu uma investigação sobre o caso.
  • De acordo com o The New York Times, documentos falsificados que atestavam a autenticidade de um lote de peças titânio foram fornecidos por uma empresa chinesa em 2019.
  • A Spirit AeroSystems teria encontrado pequenos buracos no material devido à corrosão e imediatamente alertado as autoridades sobre o problema.
  • Apesar disso, aeronaves construídas entre 2019 e 2023, incluindo os Boeing 737 MAX, 787 Dreamliners e Airbus A220, podem ter recebidos componentes feitos com o material, de acordo com fontes ouvidas pela reportagem.
Airbus confirmou estar ciente do problema (Imagem: Bjoern Wylezich/Shutterstock)

Segurança dos voos foi garantida pelas empresa

Segundo a Administração Federal de Aviação dos Estados Unidos, ainda não está claro que tipo de consequências o eventual uso destas peças teria para a segurança dos aviões. Apesar disso, reiterou que a situação é grave e merece esclarecimentos.

Os testes no titânio realizados pela Spirit AeroSystems até agora mostraram que o material apresenta as condições apropriadas de uso.

publicidade

Em comunicado, a Boeing afirmou que a situação afeta toda a indústria e que os testes realizados até o momento indicaram que a liga de titânio usada não apresenta problemas. A empresa ainda disse estar de prontidão para remover quaisquer peças que não sejam adequadas antes da entrega de novos aviões. Por fim, garantiu que uma análise interna foi feita e que as aeronaves já entregues podem continuar voando com segurança.

A Airbus também confirmou que está ciente do problema e destacou ter tomado medidas para garantir a segurança dos aviões. A empresa disse que vários testes foram realizados nas peças e mostraram que a aeronavegabilidade das aeronaves permanece intacta.