A Covid-19 pode deixar uma série de sequelas que persistem ao longo do tempo. Os impactos prolongados da doença na saúde ainda estão sendo descobertos pela ciência. Agora, um novo estudo com 24 pacientes revela que o vírus SARS-CoV-2 causa alterações nas células do sistema imunológico em diversas partes do corpo.

Segundo a pesquisa conduzida pela Universidade da Califórnia, CellSight Technologies e Kaiser Permanente South San Francisco Medical Center, o efeito é generalizado e silencioso.

publicidade

Sistema imune sofre impacto generalizado

  • Um exame PET (tomografia por emissão de pósitrons) revelou imagens preocupantes de todo o corpo dos pacientes que tiveram Covid-19.
  • Os pesquisadores detectaram atividade anormal das células T – do sistema imunológico – no tronco cerebral, medula espinhal, tecido ósseo, nariz, garganta, tecido cardíaco, pulmonar e na parede do intestino.
  • Entre os 24 voluntários, 6 se recuperaram totalmente da fase mais grave da doença e 18 apresentaram sintomas da Covid longa.
  • O efeito em algumas partes do corpo, como a medula espinhal e a parede intestinal, foi maior em pacientes com Covid longa.
  • Mas mesmo aqueles que se recuperaram totalmente tiveram alterações persistentes na atividade das células T em vários órgãos por até dois anos e meio.
  • Apesar de não ser conclusivo, o estudo indica que os sintomas persistentes da doença podem estar relacionados ao impacto do vírus no sistema imunológico.
Imagem do exame PET que revela aumento na ativação das células T em todo o corpo de pacientes que tiveram COVID-19. – Imagem: UCSF

Mas o que essas alterações podem significar?

Para entender melhor, imagine que os soldadinhos do seu corpo sofrem mudanças que os enfraquecem. Sem esse sistema de defesa equilibrado e forte, o organismo pode não conseguir se curar totalmente dos rastros da doença ou ficar mais suscetível a ataques de invasores.

publicidade

Leia mais:

Os impactos persistentes da Covid longa

A Covid longa é uma condição caracterizada por sintomas variados que persistem após a infecção inicial pelo SARS-CoV-2, sem outra causa conhecida. O diagnóstico é desafiador, com mais de 200 possíveis sintomas como “confusão mental”, fadiga e diarreia, que podem se sobrepor a outras doenças.

publicidade
Ilustração de mulher com mão na nuca e sintomas de Covid ao fundo
As pesquisas sobre os efeitos da COVID-19 ainda estão em andamento e novas descobertas podem surgir – Imagem: Financial Times

A doença pode afetar diversos órgãos, incluindo coração, cérebro, pulmões e outros. Autópsias realizadas em estudos anteriores também revelaram que o vírus pode persistir em várias partes do corpo por meses.

Há ainda evidências de que o SARS-CoV-2 pode reativar outros vírus adormecidos, como o Epstein-Barr, associado à síndrome da fadiga crônica (SFC). Outros estudos sugerem que a Covid longa e a SFC compartilham muitos sintomas e podem ser a mesma condição.

publicidade

Essas descobertas ressaltam a necessidade de mais pesquisas para entender plenamente os efeitos prolongados da Covid-19. Detalhes do estudo foram divulgados na Science Translational Medicine.