Um estudo feito pela consultoria de mercado StatCounter mostrou uma troca na vice-liderança das marcas de smartphones mais vendidas no Brasil em junho. Enquanto a Samsung segue disparada na liderança, a Motorola passou, por pouco, a Apple e assumiu o segundo posto.

A StatCounter indicou que a marca da Lenovo obteve 18,85% de participação no mercado no mês passado. Contudo, foi um leve crescimento ante maio, quando a Motorola obteve 17,84% de fatia. Mesmo assim, conseguiu ultrapassar a marca da maçã.

publicidade
Podemos especular que lançamentos do primeiro semestre, como a linha Edge 50 (foto), impulsionaram vendas da marca da Lenovo (Imagem: V.Dr/Shutterstock)

Já a Apple ficou com 17,32% no último mês, ante 18,21% em maio. A fraca participação é estimada pelo fato de a empresa focar nos novos iPhones com inteligência artificial (IA), a Apple Intelligence, que virão nos futuros iPhones 16, previstos para setembro deste ano.

Leia mais:

publicidade

Apesar de o balanço da consultoria se basear em dados de tráfego da web, podemos especular que os lançamentos realizados pela Motorola nos seis primeiros meses de 2024, incluindo a linha Edge 50, podem ter ajudado.

Ok, Motorola em segundo. Já a Samsung…

  • A Samsung segue firme na liderança de smartphones vendidos no Brasil em junho passado;
  • A participação de mercado da sul-coreana foi mais que o dobro da Motorola: 35,66%;
  • Em maio, a empresa, que mergulhou de vem no universo da IA em janeiro deste ano, tinha vendido menos: 34,31%;
  • Depois, temos a Xiaomi em quarto, com 15,65%, superando os 14,99% de maio;
  • Já em quinto lugar, vem uma marca descrita apenas como “desconhecida” no gráfico, com 8,64% (e, pasmem, ela chegou a 10,77% no mês anterior!);
  • Outra curiosidade: a LG, que saiu do mercado de smartphones há três anos, aparece na sexta posição, com 1,67% de mercado;
  • Outras marcas que aparecem na lista são Realme, Asus, Infinix e Nokia.

Confira, abaixo, o gráfico completo:

Samsung é líder isolada com tranquilidade, enquanto Motorola retomou segundo posto; Apple pode se recuperar quando lançar o iPhone 16 (Imagem: StatCounter)