Depois de diversos adiamentos e muita expectativa, o Ariane 6 finalmente fez seu voo inaugural. O foguete decolou às 16h01 (horário de Brasília) desta terça-feira (9), diretamente do Espaçoporto Europeu, na Guiana Francesa.

Apesar da decolagem bem-sucedida, uma anomalia durante o voo impediu que o foguete atingisse a altitude pretendida e o último item não foi liberado. A empresa informou que pode levar até duas semanas para que os dados sejam analisados e o problema explicado.

publicidade

Objetivos do primeiro voo do Ariane 6

O lançamento inaugural do Ariane 6 é principalmente um voo de demonstração. Ele estava transportando oito cubesats de empresas e organizações e cinco cargas úteis que seguiram presas ao estágio superior do foguete.

A parte mais importante do lançamento é o próprio veículo. O foguete Ariane 6 é fundamental para os esforços da Europa para acabar com uma “crise de lançadores” que a privou temporariamente de acesso independente ao espaço. 

publicidade
Ensaio geral de lançamento do foguete Ariane 6, feito em setembro. Crédito: ESA/ArianeGroup/CNES

Essa crise foi causada por atrasos no Ariane 6 e a aposentadoria do Ariane 5, bem como a perda do foguete Soyuz após a invasão da Ucrânia pela Rússia em 2022 e uma falha no lançamento do Vega C no final daquele ano.

“O Ariane 6 marca uma nova era de viagens espaciais europeias autônomas e versáteis”, disse Josef Aschbacher, diretor-geral da ESA. “Este poderoso foguete é o culminar de muitos anos de dedicação e engenho de milhares de pessoas em toda a Europa e, à medida que for lançado, restabelecerá o acesso independente da Europa ao espaço”.

publicidade

Leia mais:

Missões que aguardam o foguete europeu Ariane 6

O Ariane 6 representa a evolução do bem-sucedido Ariane 5, que desempenhou um papel crucial para a Europa ao longo de 27 anos. De 1996 até 2023, o veículo realizou 117 lançamentos, sendo 112 bem-sucedidos. Foi ele, por exemplo, que enviou o Telescópio Espacial James Webb (JWST) para o espaço no Natal de 2021.

publicidade

Desenvolvido pela francesa Arianespace, o Ariane 6 será mais alto, porém mais leve, e cada lançamento será mais acessível em comparação ao antecessor.

ariane 5
Ariane 5 em sua última decolagem (Imagem: ESA)

A ESA tem uma série de missões emocionantes programadas para o Ariane 6. Uma delas será o observatório de última geração PLATO (sigla em inglês para Trânsitos Planetários e Oscilação das Estrelas), que buscará mundos habitáveis ao redor de estrelas semelhantes ao Sol, que está programado para ser lançado em 2026. 

Uma missão relacionada, porém menor, é a Pesquisa de Deteção Atmosférica Remota Infravermelha em Exoplanetas Grandes (ARIEL, na sigla em inglês), que dedicará seu tempo ao estudo das atmosferas de cerca de mil mundos conhecidos fora do Sistema Solar, aproveitando os avanços realizados pelo Webb.

O ARIEL tem lançamento previsto para 2029, juntamente com a missão complementar Interceptor de Cometas, uma espaçonave que permanecerá estacionada no espaço, afastada da Terra. Assim que um cometa vindo dos confins do Sistema Solar (ou até mesmo um objeto interestelar) se aproximar, ela será ativada para interceptá-lo e estudar esse corpo ainda desconhecido. Uma missão verdadeiramente única.