Sonda japonesa vai filmar Marte e satélites naturais em resolução 8K

Agência espacial e emissora de radiodifusão pretendem recriar as experiências vivenciadas por espaçonave durante missão no sistema marciano

Victor Pinheiro 11/09/2020 20h32
Sonda MMX
A A A

A agência espacial japonesa (JAXA) e a emissora pública de radiodifusão do país NHK desenvolvem conjuntamente uma câmera que será capaz de filmar imagens de Marte e seus dois satélites naturais em resoluções 4K e 8K. A Super-Hi Vision, como foi batizado o instrumento, equipará a sonda espacial MMX durante a missão Martian Moons eXploration.


Com lançamento previsto para 2024, a espaçonave será enviada ao espaço com a tarefa de coletar amostras do solo da lua marciana Phobos e trazer o material até a Terra. Em comunicado, a JAXA destaca que a MMX será a primeira sonda a captar imagens em ultra-alta definição próximas dos objetos espaciais.

A iniciativa visa recriar as experiências vivenciadas pela sonda espacial japonesa durante a missão. A Super-Hi Vision vai capturar imagens em intervalos regulares e transmitir parcialmente as fotos para a Terra. Em parceria com a JAXA, a NHK pretende combinar as fotos da câmera com os dados reais de voo da MMX e transmitir amplamente um retrato dos desafios da espaçonave para espectadores.

As informações originais da missão serão armazenadas em um dispositivo na cápsula da nave e transportadas para a Terra.

As duas instituições já trabalharam juntas em projetos semelhantes. A emissora de radiodifusão japonesa realizou filmagens de alta definição da sonda orbital Kaguya e produziu transmissões em 4K da Estação Espacial Internacional (ISS). A NHK também já filmou a sonda de asteroide Hayabusa2 em operação de pouso.

A missão

Além de coletar dez gramas da superfície de Phobos, o objetivo da MMX é projetar um mapa detalhado de Marte e do seu outro satélite natural Deimos. Cientistas esperam aprofundar o conhecimento sobre a evolução do planeta vermelho e a formação de ambas as luas.

Até o momento, não se sabe se Phobos e Deimos foram atraídas para a órbita marciana devido ao campo gravitacional do planeta ou se os satélites já foram parte da composição de Marte se dissociaram após um evento astronômico.

A missão também é crucial para uma possível colonização do nosso mundo vizinho. As luas de Marte são consideradas como possíveis locais para bases humanas no sistema marciano. Além disso, estudos acerca da atmosfera do planeta no passado pode ajudar pesquisadores a confirmarem a existência, ou não, de oceanos na superfície do astro.

Via: Phys.org

Marte planeta Ciência&Espaço
Você faz compras Online? Não deixe de conferir a nova extensão do Olhar Digital que garante o preço mais baixo e ainda oferece testadores automáticos de cupons. Clique aqui para instalar.

Recomendados pra você