Decifrar dados da Odebrecht para Operação Lava Jato levaria 103 anos, diz FBI

De acordo com o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, a identificação dos servidores da Odebrecht não foi suficiente para que os investigadores da Operação Lava Jato tivessem acesso aos dados contidos neles. Segundo o jornal Estado de São Paulo, a Procuradoria-Geral da República recorreu ao FBI para decifrar os dados dos servidores, mas ouviu da agência que levaria 103 anos para decifrar a informação.

Essa demora seria atribuível ao sistema de proteção dos dados. Segundo funcionários do Setor de Operações Estruturadas da Odebrecht (o "departamento das propinas" da empreiteira), o sistema pedia a quem quisesse acessá-lo um código que mudava a cada dia e o uso de uma chave no computador central. 

Os funcionários informaram que não tinham conhecimento da chave. Mesmo sem ela, porém, o FBI afirmou que conseguiria decifrar os dados se soubesse qual tinha sido a última máquina a acessar o sistema. Novamente, os funcionários informaram que não saberiam dar a resposta, pois segundo eles eram os altos executivos da empresa que eram responsáveis por pagar as propinas.

Sem a chave e sem essa informação, seria necessário "quebrar" o servidor por força bruta: testando combinações diferentes de códigos até achar o que funcionasse. Por esse método, no entanto, o processo poderia levar até 103 anos, segundo o FBI.

O que já se sabe

Diante desse problema, a Procuradoria-Geral da República teria, de acordo com o Estado, buscado a cooperação do Ministério Público da Suíça. O órgão suíço conseguiu acessar cerca de um terço das informações contidas nos servidores. Segundo eles, os servidores continham mais de 2 milhões de páginas, "incluindo e-mais, ordens de pagamento, conferências e contratos que serviriam para justificar pagamentos".

Também havia neles "pagamentos relatados por meio do sistema ilegal", que foram "listados com datas, valor e o nome dos recipientes", segundo o ministério público suíço. O órgão informou também que um ex-executivo da Odebrecht, Fernando Miggliaccio, apagou parte dos servidores em fevereiro de 2016, antes de ser preso em Genebra (capital da Suíça).

Compras na Internet? Para aproveitar as melhores ofertas, baixe a nova extensão do Olhar Digital. Além da garantia do melhor preço, você ainda ganha descontos em várias lojas. Clique aqui para instalar.




RECOMENDADO PARA VOCÊ