Estúdio de games é criticado por registrar direitos sobre a palavra 'cyberpunk'

A CD Projekt Red é uma desenvolvedora polonesa que ficou famosa no mundo inteiro após "The Witcher 3: Wild Hunt", o game de ação e RPG lançado em 2015 que já vendeu mais de 25 milhões de cópias. Nesta semana, porém, a empresa foi alvo de críticas por conta de seu próximo grande título.

Há anos o estúdio vem trabalhando em um jogo chamado "Cyberpunk 2077", do qual pouco se sabe. O que chegou ao conhecimento do público nesta semana é que a CD Projekt Red registrou direitos sobre a palavra "cyberpunk", o que lhe rendeu uma série de críticas em redes sociais.

Isso porque o termo "cyberpunk" é o nome que se dá a um gênero de ficção que envolve distopias futuristas e estética anticorporações, ao estilo de obras como "Matrix", "Neuromancer" e a série de games "Deus Ex". Registrar domínio sobre essa palavra seria como se declarar dono do termo "comédia romântica", por exemplo.

O que muitos fãs da empresa criticaram foi a possibilidade de que, apropriando-se do termo "cyberpunk", a CD Projekt Red poderia arrancar dinheiro de diversos outros estúdios ou artistas que quisessem usar a palavra para se referir ao seu próprio trabalho, como um livro ou filme de ficção-científica futurista.

Para acalmar os ânimos, a própria CD Projekt se viu obrigada a emitir um comunicado sobre o assunto. "Nós queremos proteger nosso trabalho duro e não planejamos usar o registro de forma ofensiva - é uma medida de autodefesa unicamente", disse a companhia no Twitter.

A CD Projekt explicou que a palavra "cyberpunk" pertence à empresa como uma marca registrada, e não como patente ou direito autoral. Isso significa que usar o termo para descrever alguma coisa, como uma referência a um livro, filme ou jogo, não é proibido. Só é proibido usar esse termo no título de outro game de maneira que "possa confundir o consumidor", disse o estúdio.

O comunicado também informa que os direitos garantidos à CD Projekt dizem respeito somente ao uso comercial de um jogo eletrônico. Ou seja, usar a palavra em qualquer ambiente está liberado - só não pode usá-la no título de um game que possa gerar confusão. Com esse registro de marca, a empresa pode, por exemplo, proteger-se legalmente caso algum "competidor desleal" lance um "Cyberpunk 2078" para confundir quem quer jogar o "Cyberpunk 2077".

Por fim, a empresa diz que o termo foi registrado em 2011 e nunca foi usado desde então. Além disso, os direitos sobre a palavra "cyberpunk" foram comprados de uma outra empresa, que já era dona do termo e que fazia o jogo de tabuleiro "Cyberpunk 2020", no qual o novo game da CD Projekt é baseado. Em outras palavras, o estúdio diz que não há motivos para preocupação.

[Gizmodo]

Vai às compras na BlackFriday? Não deixe de conferir a nova extensão do Olhar Digital que garante o preço mais baixo e ainda oferece testadores automáticos de cupons. Clique aqui para instalar.




RECOMENDADO PARA VOCÊ