xbox playstation

O que a parceria de Sony e Microsoft significa para o futuro dos games

Renato Santino 17/05/2019 08h30
Compartilhe com seus seguidores
A A A

Muitas teorias da conspiração devem surgir, mas as respostas parecem mais simples do que isso

Sony e Microsoft, arquirrivais no mercado de games, anunciaram nesta quinta-feira, 16, uma parceria inusitada. O acordo prevê a colaboração entre as duas empresas no setor de cloud-gaming, a tecnologia de execução de jogos em servidores remotos e transmissão para sua tela pela internet, o que permite que os jogos sejam reproduzidos em qualquer aparelho com um display e conexão, sem depender de um console físico. Isso significa poder jogar games pesados em qualquer Smart TV ou celular.

O anúncio surpreende por colocar duas empresas rivais do mesmo lado, mas o que ele realmente significa? Elas deixarão de ser concorrentes no futuro quando os games em nuvem começarem a decolar? Ao que tudo indica, não. Podemos esperar que as empresas continuem competindo ferozmente no mercado de jogos com suas marcas Xbox e PlayStation, mas colaborem na tecnologia que funciona por trás desses sistemas.

Como parte do acordo, a Sony usará a plataforma de nuvem da Microsoft, a Azure, como base para o seu próprio serviço de streaming de jogos, o PlayStation Now. A decisão é compreensível: a Sony é uma empresa de hardware e entretenimento, não de infraestrutura e muito menos de computação em nuvem. Para conseguir competir com o aguardado xCloud, da Microsoft, a empresa precisa obrigatoriamente de uma parceria com alguma companhia que possui este know-how. Além do Azure, a Sony poderia ir atrás da AWS, da Amazon, que é outra gigante do setor.

Quem acompanha os transtornos que a Sony teve com a PSN ao longo dos anos não precisa de muito esforço para entender que a empresa precisa de ajuda para lidar com um potencial futuro dos jogos em nuvem. Com o Google entrando na jogada com o Stadia, a empresa do PlayStation poderia ficar bastante atrás dos concorrentes, já que tanto o Google Cloud quanto o Azure possuem datacenters no mundo inteiro como parte de suas atividades, enquanto a Sony precisaria realizar um investimento pesadíssimo de expansão para competir se fosse fazer isso com suas próprias forças.

Um investimento deste porte, provavelmente não valeria a pena para sustentar apenas a divisão de serviços em nuvem da Sony, então vale mais a pena apostar em uma plataforma de outra empresa. Neste caso, a Azure se mostra mais vantajosa do que a AWS e o Google Cloud por atender mais regiões, o que é um ponto-chave quando o assunto é streaming de jogos. A latência pode arruinar a experiência de jogo, especialmente em títulos com ação mais frenética, então quanto mais próxima sua casa é de um datacenter, melhor tende a ser a sua experiência.

Diante da parceria inusitada, não seria muito difícil imaginar que as duas empresas poderiam vir a estreitar os laços mais profundamente, em reação à ameaça do Google, para oferecer um serviço de jogos por streaming unificado, que poderia contar com jogos de ambas as plataformas, como Uncharted e Gears of War. Isso parece pouco provável, no entanto.

A competição entre as duas empresas deve se manter, pelo menos no curto prazo. A Sony já declarou com todas as letras as pretensões de lançar em breve um novo console, supostamente o PlayStation 5, com alguns detalhes de especificações de alto desempenho, como armazenamento em SSD e uma combinação de processador e GPU de última geração. Isso significa que a transição para o mundo do cloud-gaming ainda não está completa.

Se a empresa precisa lançar essa máquina, ela precisa vendê-la. A exclusividade de conteúdo ainda é a grande arma para movimentar a venda de consoles, então não parece provável que a Sony abra mão dessa exclusividade. Da mesma forma, a Microsoft também já declarou planos para um novo console físico, e também precisará de exclusividade para vender sua plataforma. Não significa, no entanto, que no futuro as duas coisas poderiam vir a se juntar, mas por enquanto não parece nem um pouco provável.

No fim das contas, a parceria parece benéfica para as duas empresas, sem necessariamente vincular demais o futuro de Xbox e PlayStation. Além do uso da plataforma de nuvem, as empresas também vão cooperar em áreas como semicondutores e inteligência artificial além de “soluções inteligentes para sensores de imagens”, que pode indicar uma possível aproximação da Sony à tecnologia do Kinect, mas os resultados dessa parceria só serão conhecidos no futuro.

PlayStation Xbox Nuvem Cloud Gaming azure computação em nuvem
Compartilhe com seus seguidores
Você faz compras Online? Não deixe de conferir a nova extensão do Olhar Digital que garante o preço mais baixo e ainda oferece testadores automáticos de cupons. Clique aqui para instalar.

Recomendados pra você