Trump quer discutir violência em jogos com representantes da indústria

Depois de culpar os jogos eletrônicos pelo massacre que deixou 17 mortos na Flórida, o presidente dos Estados Unidos Donald Trump anunciou uma reunião com representantes da indústria dos games para discutir a violência em jogos.

O problema é que Trump aparentemente esqueceu de avisar aos representantes da indústria de que a reunião aconteceria. A Entertainment Software Association (ESA) disse, horas após o anúncio de Trump, que não tinha ideia do encontro.

Após o massacre na Flória, Trump disse que o excesso de violência em games era um dos fatores que causavam os constantes tiroteios nos EUA. Ao Kotaku, a ESA questionou a ligação entre violência em games e massacres. "Os mesmos games jogados nos Estados Unidos são jogados no mundo inteiro; no entanto, o nível de violência com armas é exponencialmente maior nos Estados Unidos do que em outros países. Diversas autoridades examinaram o registro científico e não encontraram nenhuma ligação entre conteúdo de mídia e violência no mundo real."

A ESA não deixou claro se pretende aceitar o convite de Trump, caso seja formalmente feito. A associação lembrou que já existe um órgão responsável pela classificação etária dos jogos, com indicações sobre conteúdo dos games para pais preocupados com o que seus filhos vão jogar.

As declarações de Trump culpando os games - assim como programas de TV e cinema - pelos massacres ocorre após pressão por parte da sociedade norte-americana para uma maior regulamentação na venda de armas de fogo dentro do país. Os Estados Unidos são o país com o maior número de armas per capita do mundo, e muitos vinculam isso aos constantes tiroteios que acontecem no país.

Compras para o Natal? Não deixe de conferir a extensão do Olhar Digital que garante o preço mais baixo e ainda oferece testadores automáticos de cupons. Clique aqui para instalar.




RECOMENDADO PARA VOCÊ