Memorando expõe campanhas de fake news de governos no Facebook

Sophie Zhang era cientista de dados da rede social e foi demitida recentemente; ela divulgou um memorando mostrando como campanhas de desinformação política estão disseminadas

Guilherme Preta, editado por Fabiana Rolfini 15/09/2020 10h55
Facebook
A A A

Durante as últimas eleições presidenciais dos Estados Unidos e do Brasil, as redes sociais tiveram um grande impacto no andamento da disputa. Estas, porém, não foram as únicas vezes que elas foram usadas para a disseminação de desinformação, segundo Sophie Zhang, ex-cientista de dados do Facebook. Após ser demitida, ela divulgou um memorando mostrando diversas campanhas de fake news na plataforma, e a incapacidade de combatê-las.


No documento, Zhang listou diversos exemplos concretos de governos espalhados pelo mundo que usaram a rede social para “enganar seus próprios cidadãos”. Na maioria dos casos, contas falsas são usadas para influenciar a opinião pública e desacreditar a oposição. Entre as diversas medidas da rede social para impedir isso, mais de 10 milhões de reações falsas e fãs de páginas políticas importantes no Brasil e nos Estados Unidos foram removidas durante as últimas eleições.

ReproduçãoFacebook tem dificuldade em combater desinformação. Foto: Jeff Bukowski/Shutterstock

Algumas campanhas, porém, demoram um certo tempo para serem combatidas. Um exemplo aconteceu em Honduras, quando o Facebook demorou nove meses para agir em relação a uma ação coordenada do presidente Juan Orlando Hernandez para melhorar sua imagem com a população por meio de contas falsas. Depois de fechada esta operação, outras contas foram criadas e permanecem ativas. Já no Azerbaijão, a rede social levou um ano para começar a pesquisar sobre o uso de perfis falsos para “assediar a oposição”.

Na Índia, a própria Zhang trabalhou para derrubar uma “rede politicamente sofisticada de mais de mil atores trabalhando para influenciar as eleições”. Nem mesmo a pandemia do coronavírus escapou das campanhas maliciosas. Nos últimos meses, 672 mil contas falsas que manipulavam informações relacionadas à Covid-19 na Espanha e nos Estados Unidos foram removidas.

Poderia ter feito mais 

Apesar de toda essa ação, Zhang afirmou que se sente com “sangue nas mãos” por ter decidido não agir, assim que descobriu atividades inautênticas em apoio a um candidato presidencial de oposição na Bolívia. Após a renúncia de Evo Morales, o país se viu no meio de diversos protestos que causaram dezenas de mortes.

“Embora eu tenha tomado a melhor decisão que pude com base no conhecimento disponível na época, no final fui eu que decidi não forçar ou priorizar mais em cada caso, e eu sei que tenho sangue nas mãos agora”, afirmou.

Por fim, a ex-funcionária afirmou que não acredita que as pessoas que administram a rede social sejam mal-intencionadas. Porém, algumas decisões precisam ser tomadas. Todo esforço no caso afetou a saúde da ex-cientista de dados do Facebook. Quando teve um pedido de apoio negado por “limitação de recursos humanos”, foi ameaçada de demissão por se concentrar no trabalho civil.

"Temos equipes especializadas e trabalhamos com especialistas para impedir que pessoas mal intencionadas abusem as nossas plataformas, o que já resultou na remoção de mais de 100 redes por comportamento inautêntico coordenado. Trabalhar contra esse tipo de comportamento é nossa prioridade, assim como também estamos endereçando problemas de spam e engajamento falso. Investigamos cada uma dessas questões com muito cuidado, incluindo as levantadas pela Srta. Zhang, antes de agirmos ou de falarmos publicamente sobre o tema enquanto empresa", comentou o Facebook, em resposta ao ocorrido.

Via: Engadget

Facebook Brasil rede social fake news estados unidos Índia Desinformação
Compras na Internet? Para aproveitar as melhores ofertas, baixe a nova extensão do Olhar Digital. Além da garantia do melhor preço, você ainda ganha descontos em várias lojas. Clique aqui para instalar.

Recomendados pra você