Fundação Gates dá R$ 2 milhões a dois pesquisadores brasileiros

Os pesquisadores José Guilherme Cecatti (foto) e Rodolfo de Carvalho Pacagnella, ambos da Universidade de Campinas (Unicamp), receberão R$ 4 milhões da Fundação Bill & Melinda Gates e do CNPq (Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico) - R$ 2 milhões de cada - para investir em estudos de prevenção e intervenção em partos prematuros. No Brasil, as ocorrências correspondem a 12% do total das gestações, segundo a Unicef.

As pesquisas serão realizadas nos próximos dois anos em parceria com 20 centros brasileiros e internacionais. O auxílio é resultado de um concurso lançado em maio pela Fundação que Gates administra e pelo Ministério da Saúde para levantar ideias brasileiras que ajudem a minimizar o problema da prematuridade.

Os projetos se complementam; o de Cecatti pretende medir as substâncias no sangue da mulher para prever, no 4º mês de gestação, o risco de ter a gravidez interrompida antes da 37ª semana; já o de Pacagnella busca associar tratamentos já existentes na tentativa de evitar o parto prematuro em mulheres que tenham o colo do útero encurtado.

"A maior parte da mortalidade nesta fase decorre de parto prematuro, e o bebê é o maior prejudicado", explica José Guilherme Cecatti. Segundo ele, o objetivo do projeto é estender à população as propostas de melhorias para o nascimento das crianças e implementar os procedimentos de forma rotineira caso os resultados sejam bem-sucedidos.

Compras na Internet? Para aproveitar as melhores ofertas, baixe a nova extensão do Olhar Digital. Além da garantia do melhor preço, você ainda ganha descontos em várias lojas. Clique aqui para instalar.




RECOMENDADO PARA VOCÊ