Servidor cheio

Blocos de endereço IPv4 para a América do Norte estão esgotados

Gustavo Sumares, editado por Marcelo Gripa 02/07/2015 13h15
Compartilhe com seus seguidores
A A A

A American Registry for Internet Numbers (ARIN, órgão norteamericano que controla a alocação de endereços de IP nos EUA e Canadá) anunciou ontem que iniciará uma política de "solicitações negadas" pela primeira vez em sua história.

A ARIN é responsável por conceder blocos de endereços de IP a empresas e organizações que necessitam de endereços fixos na internet. No entanto, devido ao esgotamento dos endereços disponíveis no padrão IPv4, os pedidos de empresas e organizações não podem mais ser atendidos tão facilmente.

Àquelas empresas e organizações cujas solicitações por IPs não puderem mais ser atendidas, o registro oferece três opções: entrar numa lista de espera por blocos maiores de endereços, aceitar um bloco menor, ou fechar o pedido. A ARIN aponta também para a ampla disponibilidade de endereços no padrão IPv6, que ainda é menos usado pelo fato de que alguns dispositivos antigos não aceitam esse padrão.

A ARIN é um dentre vários órgãos conhecidos como RIRs - Regional Internet Registry, ou Registro Regional de Internet - que administram regionalmente a distribuição de endereços de IPs. A RIR responsável pela região na qual o Brasil se insere se chama LACNIC (Latin American and Caribbean Internet Addresses Registry), e passou por uma situação semelhante em junho de 2014.

Histórico

IPs são os "endereços" dos computadores e outros dispositivos na internet - cada aparelho precisa ter um IP para poder se conectar. Os IPs no padrão IPv4 são conjuntos de quatro grupos de três números de 0 a 9 (por exemplo: 192.168.034.765). Assim, ele permite apenas cerca de 4,3 bilhões de endereços. No momento de sua criação, não era possível prever o enorme crescimento do número de dispositivos e usuários conectados à rede.

O esgotamento dos endereços de IP nesse padrão já era previsto desde 1992. Por conta dessa previsão, a Internet Engineering Task Force (força-tarefa de engenharia da internet) iniciou em 1994 o desenvolvimento do padrão IPv6. Nesse padrão, os endereços são conjuntos de oito grupos de quatro algarismos hexadecimais (números de 0 a 9 e letras de A a F), como, por exemplo, 
FE80:0000:0000:0000:0202:B3FF:FE1E:8329.

Assim, o padrão permite um total de mais de 340 trilhões de trilhões de trilhões de endereços. Além disso, ele também permite a atribuição de níveis hierárquicos diferentes (com regras de roteamento diferentes) para alguns endereços, algo que o IPv4 não permitia.

No entanto, a incompatibilidade entre os dois padrões fez com que empresas e governos demorassem a adotá-lo. O Google rastreia o uso de IPv6 de usuários de seu site e, segundo seus dados, atualmente apenas cerca de 7% do tráfico acontece em IPv6. Dois anos atrás, esse número não chegava a 2%.

No Brasil, atualmente, apenas 2,38% do tráfego captado pelo Google acontece em IPv6. É bastante provável, porém, que com o nevitável esgotamento de endereços IPv4 num futuro próximo, esse número cresça cada vez mais rapidamente.
Internet IP Crise Brasil
Compartilhe com seus seguidores
Você faz compras Online? Não deixe de conferir a nova extensão do Olhar Digital que garante o preço mais baixo e ainda oferece testadores automáticos de cupons. Clique aqui para instalar.

Recomendados pra você