Brasil lança projeto para acelerar concessão de patentes inovadoras

O Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI), lançou nesta semana o projeto "Prioritário BR", que tem como objetivo acelerar o processo de concessão de patentes inovadoras no Brasil. De acordo com o Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, um pedido do tipo pode demorar até 11 anos para ser analisado. “É muito demorado para quem tem necessidade de colocar seu produto no mercado e de um contrato celebrado entre a empresa com outra parte", pontua o diretor de patentes do INPI, Júlio César Moreira.

O projeto vai dar tratamento prioritário a pedidos de patentes inovadoras depositadas no instituto, mas que possuam depósito equivalente em outro país. “A ideia é que consigamos decidir rapidamente, a fim de viabilizar que a empresa que depositou o pedido de patente tenha maior capacidade e poder nas negociações. Estamos falando em transferência de tecnologia ou mesmo para conseguir o licenciamento de sua tecnologia, com a patente concedida pelo INPI”, explica Moreira.

Com o Prioritário BR, a meta é que as análises levem de 9 meses a um ano.“Se levarmos em consideração que na área de TI a tecnologia fica obsoleta em três ou quatro anos, precisamos ter mecanismos mais rápidos de resposta e tratar de alguma maneira esse estoque pendente de exames".

Quem enviou pedidos de patentes mais antigos e se enquadra nas exigências do projeto pode se habilitar preenchendo um formulário oferecido pelo INPI. De acordo com a assessoria de imprensa órgão, depois da concessão da patente pelo projeto "Prioritário BR", o solicitante poderá pedir a priorização também nos Estados Unidos por meio do projeto 'Patent Prosecution Highway' (PPH), iniciado no dia 11 de janeiro.

Via Agência Brasil

Compras na Internet? Para aproveitar as melhores ofertas, baixe a nova extensão do Olhar Digital. Além da garantia do melhor preço, você ainda ganha descontos em várias lojas. Clique aqui para instalar.




RECOMENDADO PARA VOCÊ