Cientistas criam bateria de lítio que pode diminuir a própria temperatura

Um dos grandes problemas das baterias modernas de íon-lítio é o superaquecimento. Embora sejam casos raros e isolados, o mal uso pode fazer com que celulares explodam ou fiquem em chamas caso suas células de energia sejam sobrecarregadas. O estudo de um grupo de cientistas da Universidade de Stanford, nos Estados Unidos, pode mudar essa realidade.

Os pesquisadores afirmam ter criado a primeira bateria de lítio capaz de reduzir a própria temperatura de forma inteligente, diminuindo, assim, os riscos de uma explosão. A bateria em questão é formada por microscópicos espinhos que se tocam e transmitem eletricidade. Quando a temperatura aumenta, porém, o módulo se expande e interrompe essa conexão, diminuindo a circulação de eletricidade e impedindo que a bateria fique ainda mais quente - com o tempo, o calor se dissipa.

De acordo com os cientistas, a técnica não causa qualquer impacto na performance ou na durabilidade das baterias. "Pessoas têm testado diferentes estratégias para resolver o problema das explosões acidentais em baterias de íon-lítio. Nós criamos a primeira bateria que pode ser desligada e reativada mesmo com repetidos ciclos de aquecimento e resfriamento, sem comprometer a performance", disse Zhenan Bao, professor de engenharia química de Stanford e um dos líderes do projeto.

Via Ubergizmo

Você faz compras Online? Não deixe de conferir a nova extensão do Olhar Digital que garante o preço mais baixo e ainda oferece testadores automáticos de cupons. Clique aqui para instalar.




RECOMENDADO PARA VOCÊ