Lucinho Garotinho do Celular

Eleição deste ano tem candidatos como Baixinho da Lan Hause e Gordo do Celular

Leonardo Pereira
Compartilhe com seus seguidores
A A A

A chamada “festa da democracia” está se aproximando, neste ano trazendo a possibilidade de escolha para os cargos de prefeito e vereador. Como os candidatos do segundo time têm menos exposição midiática e uma campanha mais corpo a corpo com os cidadãos que os elegem, muitos fazem uso de apelidos para que as pessoas se lembrem deles quando estiverem encarando a urna. E é neste momento que a tecnologia ganha sua vez.

Quatro anos atrás, o Olhar Digital realizou um levantamento para identificar candidatos que associavam suas imagens a temas ligados ao nosso tipo de cobertura. Encontramos nomes como “Mário Bross”, “Sonic” e até um sujeito apelidado de “Gordo do Video Game”. Em 2016 a coisa não está muito diferente.

Mais uma vez um dos destaques fica por conta das lan houses. Mesmo apontado como um negócio em decadência, o termo lan house ainda é usado como apelido por mais de 40 candidatos — incluindo o “Edmilson da Lã House”, que disputa pelo PV em Inaciolândia (GO), e o “Baixinho da Lan Hause”, de Ubatã (BA), que pertence ao quadro do DEM.

Outros 77 candidatos escolheram fazer associações com a palavra “celular”, mais uma tendência que repete o que aconteceu em 2012. Neste caso, aliás, com alcunhas ainda mais peculiares. Há exemplos como “Lucinho Garotinho do Celular”, do PTN em São Miguel do Gostoso (RN); o “Gordo do Celular”, do PRB de Pindobaçu (BA); e o “Tchuca do Celular”, do PSD de Itapetinga (BA).

E essas não são as únicas opções para quem escolhe ter a tecnologia como aliada nas eleições. Prova disso é que há candidatos como o “Carlinhos do Video Game”, do PSL de Porto Grande (AP); o “Zezinho Cafelândia Digital”, do PMDB em Cafelândia (PR); o “Jocel Eletrônico”, do PTN de Granjeiro (CE); e o “Luciano da Loja do Computador”, do PSD de Divinópolis (MG).

O PSL de Embu das Artes (SP) tem um candidato chamado “James Google Massagista”, enquanto o PSDB de Mineiros (GO) conta com a “Maria de Fátima do Facebook”. Até o Twitter entrou na dança graças ao “Ze Twitter”, do PPS de Maracaçumé (MA).

Não há nada na legislação eleitoral que proíba esse tipo de artifício. A estratégia costuma ser até estimulada em disputas mais regionalizadas, como as que miram cadeiras de vereador. Quando as eleições de 2012 se aproximavam, perguntei ao estrategista de marketing digital e político Gabriel Rossi o que ele achava de termos um candidato que se chamava de “Mário Bross” e ele respondeu que, “se a comunidade do candidato o conhece como 'Mário Bross', é melhor que ele use esse nome na urna”.

"Depende muito do eleitor que você quer atingir, depende do que você defende", comentou Rossi. "Para vereador há duas opções: um candidato de segmento (como tecnologia), ou um que usa algo regional." A má notícia para o pessoal citado neste texto é que o apelo emocional costuma funcionar melhor que o racional, portanto, seria melhor sair concorrendo como “João que vai construir uma creche” do que como “João do Facebook”.

Brasil Política eleições
Compartilhe com seus seguidores
Compras na Internet? Para aproveitar as melhores ofertas, baixe a nova extensão do Olhar Digital. Além da garantia do melhor preço, você ainda ganha descontos em várias lojas. Clique aqui para instalar.

Recomendados pra você