terapia genetica

Estados Unidos autorizam terapia genética pela primeira vez

Gustavo Sumares
Compartilhe com seus seguidores
A A A

A Food and Drug Administration (FDA), o órgão regulatórik de alimentos e medicações dos EUA, concedeu ontem a primeira autorização para uma terapia genética. Chamada de "Kymriah", a terapia modifica as células do sangue do paciente para combater um tipo específico de câncer chamado de leucemia linfoblástica aguda (ALL, na sigla em inglês).


Cada dose do tratamento com o Kymriah é feito usando as células-T do próprio paciente. As células-T são uma das células do sangue que fazem parte do sistema imunológico. Elas são colhidas e enviadas para um centro de processamento, onde são modificadas geneticamente para incluir um novo gene.

Esse novo gene contém uma proteína que faz com que as células-T reconheçam e ataquem células de leucemia que têm um antígeno específico (CD19) em sua superfície. Após a modificação, as células modificadas são injetadas novamente no paciente para eliminar as células do câncer no corpo dele.

Primeiros pacientes

O tratamento foi aprovado para pacientes com até 25 anos de idade, que são justamente os mais propensos a ter a doença. Segundo a agência, trata-se da forma mais comum de câncer infantil nos Estados Unidos, com cerca de 3.100 pacientes com 20 anos de idade ou menos diagnosticados por ano. A aprovação vale para pacientes que não responderam ao tratamento inicial, ou em quem a doença voltou a ocorrer após um primeiro tratamento. A agência estima que eles representem de 15% a 20% do total.

Nos primeiros testes feitos com a terapia, 63 pacientes, incluindo crianças e jovens adultos, se submeteram a ela. Em três meses, a taxa de sucesso foi de 83%. De acordo com o diretor do centro de avaliação e pesquisa biológica da FDA, Peter Marks, o novo método "não apenas dá a esses pacientes uma nova opção de tratamento onde havia apenas um número muito limitado de opções, mas lhes dá uma opção que tem mostrado taxas promissoras de remissão e sobrevivência".

Riscos

Mas, segundo a agência, o tratamento pode causar "efeitos colaterais severos". Esses efeitos podem causar sintomas como febres altas, sintomas semelhantes aos de gripe e problemas neurológicos que podem chegar a ameaçar a vida dos pacientes. Eles também pdoem gerar infecções, queda na pressão sanguínea, danos aos rins e queda na taxa de oxigênação. E como algumas células do sistema imunológico também têm o antígendo CD19 que o tratamento ataca, o paciente pode ficar com a imunidade prejudicada durante o tratamento.

Por esse motivo, a agência exigirá que clínicas e hospitais que pretendam oferecer o novo método tenham uma certificação especial. Como parte dessa certificação, os funcionários envolvidos na administração do tratamento precisarão ser treinados para reconhecer e combater os efeitos colaterais que ele pode causar. Os pacientes também precisarão estar cientes dos riscos. 

Saúde Medicina Pesquisa
Compartilhe com seus seguidores
Compras na Internet? Para aproveitar as melhores ofertas, baixe a nova extensão do Olhar Digital. Além da garantia do melhor preço, você ainda ganha descontos em várias lojas. Clique aqui para instalar.

Recomendados pra você