Cérebro-computador

Facebook financia nova experiência de leitura da mente

Bruna Lima, editado por Rafael Rigues 31/07/2019 08h30
Compartilhe com seus seguidores
A A A

Empresa de Zuckerberg pretende impulsionar desenvolvimentos de interface cérebro-computador que permita digitar usando apenas a mente

O Facebook anunciou um avanço em seu plano de criar um dispositivo que permita que as pessoas digitem usando apenas seus pensamentos. A novidade é o financiamento de um estudo que desenvolveu algoritmos de aprendizado de máquina capazes de transformar a atividade cerebral em fala. O objetivo é, através dele, acelerar a produção de um "dispositivo vestível totalmente não invasivo" que possa processar 100 palavras por minuto.


Cientistas da Universidade da Califórnia em San Francisco pediram a pacientes com epilepsia, que já tinham eletrodos de registro colocados em seus cérebros para avaliar as origens de suas convulsões, que respondessem em voz alta uma lista de perguntas simples de múltipla escolha ordenadas aleatoriamente. Assim, os algoritmos aprenderam a identificar a pergunta que lhes foi feita e a resposta escolhida.

"A maioria das abordagens anteriores se concentrava apenas na decodificação da fala", disse o professor Eddie Chang, "mas aqui mostramos o valor de decodificar os dois lados de uma conversa - tanto as perguntas que alguém ouve quanto o que elas dizem em resposta. "Isso reforça nossa intuição de que a fala não é algo que ocorre de forma isolada, e que tentativas de decodificar o que os pacientes com dificuldade de fala estão tentando dizer serão mais produtivas se levarmos em conta o contexto completo do que está sendo comunicado"

O pesquisador David Moses disse: "É importante ter em mente que conseguimos isso usando um vocabulário muito limitado, mas em estudos futuros esperamos aumentar a flexibilidade, bem como a precisão do que podemos traduzir da atividade cerebral". Em última análise, os pesquisadores disseram que esperam alcançar uma velocidade de decodificação em tempo real de 100 palavras por minuto, com um vocabulário de 1.000 palavras e taxa de erro de menos de 17%.

Em vez de olhar para uma tela de telefone ou abrir um laptop, a pessoa só teria que manter contato visual sem perder o ritmo. Enquanto isso, a empresa Neuralink, de Elon Musk, pediu permissão aos órgãos reguladores dos EUA para começar a testar seu próprio dispositivo de análise cerebral em seres humanos.

Por outro lado, outros da comunidade acadêmica acreditam que é hora de considerar as ramificações éticas dessa pesquisa e as possibilidades que ela abre para o futuro. "Para mim, o cérebro é o único lugar seguro para a liberdade de pensamento, de fantasias e de dissidentes", disse a professora de neurociência Nita Farahany à revista MIT.

Via: BBC

Facebook cérebro-computador
Compartilhe com seus seguidores
Você faz compras Online? Não deixe de conferir a nova extensão do Olhar Digital que garante o preço mais baixo e ainda oferece testadores automáticos de cupons. Clique aqui para instalar.

Recomendados pra você