Andy Rubin

A história de Andy Rubin, a mente por trás do Android

Felipe Maia, editado por Marcelo Gripa 14/03/2013 09h30
Compartilhe com seus seguidores
A A A

O programador e engenheiro responsável por um dos maiores sucessos do Google deixa a divisão que ajudou a criar

Em um texto disponível na internet, Andy Rubin dá adeus àquilo que tomou quase dez anos de sua vida. “Os bons e os maus momentos mudaram a maneira que penso sobre muitas coisas, mas, mais importante, eles me lembram o quão eu posso estar completo com um computador estúpido e um modem.”

O maquinário a que ele se refere passa longe do Nexus 4, o último smartphone do Google. A despedida de Rubin, no caso, era para a rede BBS que ele operava nos anos 80. A plataforma data de uma era medieval da internet, no qual terminais se conectavam via linha telefônica para trocar algumas mensagens e arquivos menores que a capacidade de um diquete de 3 ½ polegadas.

Era também um período romântico de programadores e entusiastas dispostos a trabalhar para o funcionamento de software, hardware e rede. Foi nesse meio que Rubin desenvolveu as habilidades que o levaram, anos depois, à criação do Android.

O fato ocorreu no fim dos anos 2000, não sem antes uma história digna dos heróis do Vale do Silício. Rubin vinha de uma família de classe média nova-iorquina e, após a universidade, foi trabalhar com robótica na Carl Zeiss -- a companhia por trás das famosas lentes fotográficas.

Seguindo a trilha dos robôs, Rubin conseguiu emprego na Suíça, de onde só saiu por um encontro ao acaso. Durante um passeio na praia ele tomou conversa com um engenheiro de uma companhia com novos projetos para computação, a Apple.

O bate-papo rendeu outro convite para trabalho, agora nos Estados Unidos. O Vale do Silício era o novo local de Rubin e foi lá que, anos mais tarde, ele criou sua primeira startup, a Danger. A empresa germinou a cabeça do engenheiro para o Android sem deixá-lo esquecer das origens.

Do berço da programação em linhas telefônicas Rubin também trouxe o gosto pela liberdade. Na carta de despedida ao seu BBS, escrita em 1991, o programador ressalta: “Informação não é somente para quem paga por ela”. O lema está na base do sistema operacional criado por ele em 2002.

Totalmente em código-livre, o Android é baseado em Linux. Isto significa dizer que qualquer pessoa pode alterar seu sistema, modificar seus recursos, montar e desmontar seus padrões. Tudo isso sem precisar pagar por algo.

O Google não ganha dinheiro com o Android. Não diretamente. Foi isso que trouxe a empresa para perto de Rubin em 2005. A filosofia da companhia é trazer o maior número de pessoas para seu ecossistema. Possíveis cobranças e certas publicidade vêm a seguir.

Rubin concordou com isso e aceitou o convite para presidir a área de Android no Google. Sob seu comando, os smartphones tornaram-se terminais contemporâneos, com acesso a e-mail, busca, vídeos, fotos, entre outras centenas de recursos. E a gigante da tecnologia aumentou seu alcance nos serviços digitais.

De uma fabricante a utilizar o Android, a HTC com o G1 de 2007, o Google passou a ter 60 em 2013, segundo Larry Page, CEO da empresa. Ele ainda afirma que atualmente existem 750 milhões de aparelhos e 25 bilhões de aplicativos com seu sistema operacional.

Os grandiosos números, relatados no comunicado oficial da saída de Rubin, não falam de lucros. Analistas afirmam que o Google ainda gasta mais do que lucra com o desenvolvimento da plataforma, mesmo a custo de sua popularidade.

No entanto, as cifras isentam Rubin de uma demissão. Tanto que ele continuará na empresa, mas ainda não se sabe o cargo. O Android passa ao cargo do também responsável pelo Chrome OS, o indiano Sundar Pichai. Essa é outra história que merece ser contada.
Google Android Android Market
Compartilhe com seus seguidores
Você faz compras Online? Não deixe de conferir a nova extensão do Olhar Digital que garante o preço mais baixo e ainda oferece testadores automáticos de cupons. Clique aqui para instalar.

Recomendados pra você