galaxy fold quebrado

Opinião: Samsung acerta ao adiar o Galaxy Fold temendo novo fiasco como o do Note 7

Renato Santino 22/04/2019 19h30
Compartilhe com seus seguidores
A A A

Novo fiasco poderia matar a tecnologia de telas dobráveis antes mesmo de ela sair do papel

A Samsung anunciou uma surpresa nesta segunda-feira: depois de quatro relatos de problemas com a tela por parte dos primeiros jornalistas e influenciadores que conseguiram colocar as mãos no Galaxy Fold para testes, a empresa optou por adiar por tempo indeterminado o lançamento do aparelho, inicialmente previsto para o dia 26.

É indiscutível que a Samsung tomou a decisão certa em relação ao decidir pelo adiamento da distribuição do aparelho. A empresa precisa ser muito clara e transparente sobre o que pode acontecer com a tela de um aparelho de US$ 2.000, mesmo que os defeitos não estejam totalmente claros até o momento. Para isso, é necessário entender o que deu errado e tomar as providências adequadas.

“As descobertas iniciais da inspeção dos problemas relatados no display mostraram que eles podem estar associados a impactos nas áreas expostas da dobradiça na parte superior e inferior do aparelho. Houve também um caso de que substâncias encontradas dentro do aparelho afetaram o desempenho da tela”, explicou a Samsung em um comunicado no qual justifica o adiamento do lançamento.

Pelas análises que foram publicadas até o momento, ficou bastante evidente que a taxa de falhas do aparelho é mais alta do que o aceitável. Foram duas unidades que apresentaram defeitos claros que, ao que tudo indica, não foram resultantes de mau uso e mais duas que tiveram problemas pela remoção indevida de uma película protetora que visa evitar que a tela seja danificada. Os jornalistas dizem que não havia um aviso claro para que o item não fosse removido, o que é especialmente confuso quando o Galaxy S10, por exemplo, tem uma película que DEVE ser removida para o uso.

Diante dos primeiros relatos, a Samsung tentou amenizar a situação avisando que as unidades finais do Galaxy Fold teriam um aviso para que os clientes não removam a película, mas isso é só uma parte do problema. Primeiro: a película protetora, se é tão indispensável, não PODE ser removível. Segundo: ainda há outros aparelhos que deram defeito mesmo com o plástico protetor. Isso sem contar no fato de que, na melhor das hipóteses, algumas centenas de aparelhos foram testados por pessoas de fora da Samsung, o que é uma taxa de erro altíssima. Se a cada 200 aparelhos (chutando bem alto), 4 apresentarem defeito, é uma taxa de falha de 2%, digna de recall. É provável, no entanto, que a empresa tenha fornecido muito menos unidades de testes do que os 200 utilizados para o cálculo.

A Samsung havia dito no ano passado que pretendia produzir 1 milhão de unidades de seu celular dobrável, numa época em que ainda não sabíamos sequer que o aparelho se chamaria Galaxy Fold. Se a proporção de falha se mantivesse, teríamos em mãos 20 mil celulares com problemas. Seria um desastre para a imagem da companhia que poderia atrasar em anos a evolução da tecnologia de telas dobráveis devido à má reputação que a tecnologia ganharia.

Também é impossível não lembrarmos do caso Galaxy Note 7, que tem algumas similaridades evidentes com o caso do Fold. Na ocasião, a Samsung correu para inovar, lançando uma bateria maior do que o corpo do aparelho poderia suportar, o que acabou comprimindo componentes fazendo com que o dispositivo entrasse em curto, causando a combustão de alguns celulares. A empresa chegou a fazer um recall, mas as novas unidades também começaram a pegar fogo (segundo a Samsung por outro motivo) e a empresa foi forçada a cancelar definitivamente a distribuição do smartphone.

Foram poucas as pessoas de fato impactadas pelo fiasco do Note 7. Quando declarou o fim da distribuição do aparelho, a Samsung havia registrado 92 casos de superaquecimento de baterias nos EUA, causando 26 queimaduras e 55 casos de danos a propriedades pessoais dos usuários e ao menos três casos de usuários que reportaram o defeito após terem recebido uma nova unidade teoricamente segura após o recall.

Claro que um defeito na tela é um problema muito menos perigoso do que uma bateria que pode a qualquer momento entrar em combustão dentro do bolso de um usuário, mas a taxa de falha vista nestes primeiros dias é absurdamente maior do que a taxa de falha do Note 7. A Samsung havia relatado 2,5 milhões de unidades do Note 7 vendidas pelo mundo, e apenas algumas centenas de aparelhos apresentaram defeito. A amostragem estatística que temos do Fold é menor, mas mais perigosa.

Assim, a Samsung tomou a decisão acertada. A empresa precisa acertar a mão no Fold, não só pelo futuro do aparelho, mas pelo futuro da tecnologia, então é inteligente tomar mais um tempo para lançar o produto direito. E a Huawei, que também já anunciou um celular com tela dobrável, precisa estar bastante atenta aos passos da Samsung para não repetir seus erros.

Samsung Tela Flexível Galaxy smartphone dobrável galaxy fold
Compartilhe com seus seguidores
Você faz compras Online? Não deixe de conferir a nova extensão do Olhar Digital que garante o preço mais baixo e ainda oferece testadores automáticos de cupons. Clique aqui para instalar.

Recomendados pra você