Você sabe o que é um ciclone bomba? O Olhar Digital explica

Fenômeno que causou grandes danos no sul do país nesta terça-feira (30) é caracterizado por se formar rapidamente e trazer ventos muito intensos. Mas não é algo inédito

Rafael Rigues 01/07/2020 17h15
Ciclone Catarina
A A A

Você muito provavelmente ouviu falar nos fortes ventos que causaram destruição em várias regiões do sul do país nesta terça-feira (30) e que nesta quarta (1) estão gerando vendavais e ressacas na região sudeste.


Eles foram causados por um tipo de ciclone extratropical que se formou no litoral da região sul, e que está sendo chamado de "ciclone bomba". O nome certamente assusta e gera dúvidas: por que ele tem esse nome? É algo comum? Devemos nos preocupar com novos casos no futuro? O Olhar Digital explica.

O que é um ciclone?

Ciclones extratropicais são fenômenos que ocorrem nas zonas temperadas do planeta, que no hemisfério sul ficam entre o Trópico de Capricórnio e o Círculo Polar Antártico. No Brasil, isso engloba a região sul do país.

Eles se formam quando há diferenças na temperatura do ar, direção e velocidade dos ventos numa pequena região ou camada atmosférica. Com isso forma-se uma área de baixa pressão atmosférica, ou seja, o "peso" da coluna de ar sobre a superfície diminui.

Reprodução

Isso causa o aumento dos ventos, já que estes se deslocam sempre de áreas de alta pressão para as de baixa pressão. Também faz com que o mar fique mais agitado, já que com a pressão menor o nível da água sobe, gerando grandes ondas.

Vale lembrar que furacões, ciclones e tufões são o mesmo fenômeno, só têm nomes diferentes dependendo da região onde ocorrem. No Atlântico Norte e Nordeste do Pacífico, eles são chamados de furacões. No Noroeste do Pacífico são chamados de tufões, e no Pacífico Sul, Oceano Índico e Atlântico Sul são ciclones. Por isso é comum ouvir no noticiário sobre furacões atingindo os EUA e tufões no Japão.

Por que "bomba"?

Um ciclone é classificado como "bomba" quando essa queda de pressão é rápida demais, da ordem de 24 Hectopascais (HPa, a unidade usada para medir a pressão atmosférica) em 24 horas ou menos.

Quanto maior a queda de pressão, mais fortes são os ventos gerados. O nome foi cunhado por Fred Sanders, professor do MIT, devido à sua capacidade de causar grande destruição em um curto espaço de tempo, como a explosão de uma bomba.

O fenômeno que atingiu o sul do país gerou ventos de 121 km/h em Indaial, em Santa Catarina, por volta das 16h da terça-feira.

Vai acontecer de novo?

O ciclone desta terça-feira foi intenso, mas não inédito. Segundo a meteorologista Josélia Pegorim, do ClimaTempo, "ciclones extratropicais são muito comuns na América do Sul. E já tivemos outros com força desta ordem".

Em 2004 o Ciclone Catarina, como ficou conhecido, atingiu o litoral de Santa Catarina, com ventos de até 176 km/h. Entretanto, ele foi um ciclone extratropical "tradicional", se formando ao longo de um período maior de tempo.

A passagem de um ciclone extratropical, seja ele "bomba" ou não, traz como consequência chuva e queda na temperatura. Há possibilidade de neve no sul, e até mesmo de geada no sudeste. Melhor preparar um cobertor e, por via das dúvidas, fechar as janelas.

Brasil meteorologia Rio Grande do Sul santa catarina paraná
Você faz compras Online? Não deixe de conferir a nova extensão do Olhar Digital que garante o preço mais baixo e ainda oferece testadores automáticos de cupons. Clique aqui para instalar.

Recomendados pra você