Volta do Google à China não será tranquila, dizem especialistas

O Google anunciou recentemente que tem planos de voltar ao mercado de aplicativos chinês, depois de 5 anos sem operar no país. Mas, ao que tudo indica, o retorno não será tão simples: o longo tempo sem atuar na China fez com que a gigante de tecnologia perdesse grande parte do território nos principais serviços que oferece. "A questão é que é tarde para o Google voltar à China. Talvez quase tarde demais", afirma Shiv Putcha, da consultoria IDC.

No período, o mercado local de apps sofreu grandes transformações. Em vez de um espaço para reunir uma série de títulos diferentes, agora empresas como Alibaba, Baidu e Tencent possuem, além de suas próprias versões para os serviços oferecidos pelo Google, outros aplicativos. O WeChat, por exemplo, oferece aos 600 milhões de usuários opções de jogos, táxis, livros e pagamentos, entre outras opções.

Mas por que voltar com uma loja de aplicativos, mesmo com esse cenário? De acordo com um trabalho de pesquisa sobre o caso realizado na Universidade Ryerson, do Canadá, os reguladores chineses podem acreditar que apps para Android são menos ameaçadores do que serviços de busca e de e-mail. "É altamente improvável que o governo chinês se questione: 'Será que alguém baixa Tetris. Se o Google não tiver qualquer informação altamente confidencial, não pode ser obrigado a divulgar esses dados", afirma o estudo.

Pesquisadores defendem ainda que a existência de uma loja de apps controlada pelo Google na China pode ser uma chance de pequenos desenvolvedores entrarem no mercado.

Via Business Insider

 

 

 

Compras na Internet? Para aproveitar as melhores ofertas, baixe a nova extensão do Olhar Digital. Além da garantia do melhor preço, você ainda ganha descontos em várias lojas. Clique aqui para instalar.




RECOMENDADO PARA VOCÊ