Mercado de TI escolhe profissionais pelo comportamento

Se você está interessado no mercado de tecnologia, saiba que não pode se conformar com os estudos relacionados à sua área de interesse, pois não basta apenas saber fazer, também é preciso se relacionar.

Especialistas defendem que as competências comportamentais são tão ou até mais importantes do que as competências técnicas, portanto o profissional tem de estar atento a necessidades que muitas vezes não aparecem nas descrições das vagas.

"Não sei se há uma competência específica para a área de TI, mas o mercado, através dos departamentos de recursos humanos, fala muito da capacidade de trabalhar em grupo, de ouvir (por conta do atendimento), de liderança, proatividade… são coisas ligadas a um conjunto de habilidades que são humanas e todos precisaríamos desenvolver", aponta Luiz Claudio Bido, coordenador do Núcleo de Atendimento Psicopedagógico da BandTec.

A instituição tem um trabalho voltado ao desenvolvimento desse tipo de competência que, de acordo com Bido, consiste em focar nos valores ao invés de pensar em treinamentos convencionais.

"A habilidade de saber ouvir, por exemplo: não adianta dar um treinamento sobre saber ouvir se isso não estiver fundamentado numa questão anterior que é a valorização do outro. Se eu não entendi esse valor eu não vou entender o saber ouvir. Posso desenvolver posturas e o falar, mas se eu não tiver isso interiorizado não vai adiantar".

Essa é uma parte da preparação profissional que não pode ser deixada de lado, pois algumas empresas chegam a dar mais atenção ao comportamento do que ao nível de entendimento que o candidato apresenta sobre o cargo. "Eu costumava contratar pela habilidade técnica e demitir por causa dos comportamentos", conta Leandro Lopes, CEO da L3 CRM.

No caso da L3, as contratações regulares são feitas com peso igual: o candidato tem de ser bom, mas também ter alguns valores embutidos. Já com os trainees a coisa pende totalmente para o campo psicológico. "Percebemos que é mais fácil ensinar a parte técnica do que a comportamental", esclarece.

Lopes conta que o processo seletivo identifica o perfil do candidato para descobrir se ele combina com a vaga. "Para desenvolvedor precisa ter amplitude reduzida, ou seja, a pessoa tem de ficar focada no desenvolvimento; o consultor funcional tem de ser comunicador para fazer a integração entre cliente e desenvolvedor; o representante comercial precisa ter um perfil mais empreendedor, visão geral do cliente e da empresa para integrá-lo com as nossas ofertas."

Luiz Claudio Bido, da BandTec, observa que muitas empresas estão reorganizando suas dinâmicas para explorar essas questões, de olho em constatações como a de Lopes de que os problemas que geram dispensas geralmente são encontrados no comportamento dos funcionários, e não em suas qualificações técnicas.

"O aluno de TI vai aprender a ouvir quando ele tiver de ouvir, quando isso for um valor para a instituição de ensino. A mesma coisa com uma empresa: quem ouve os colaboradores vai formar colaboradores que sabem ouvir."

Compras na Internet? Para aproveitar as melhores ofertas, baixe a nova extensão do Olhar Digital. Além da garantia do melhor preço, você ainda ganha descontos em várias lojas. Clique aqui para instalar.




RECOMENDADO PARA VOCÊ