Bancários em greve exigem mudanças no modelo de agência digital

A greve que mantém bancários paralisados por todo o país há mais de dez dias tem como um de seus objetivos forçar os bancos a repensar os modelos de agências digitais, uma opção que tem ganhado força entre os clientes devido à redução — às vezes a zero — das taxas de manutenção.

A categoria reclama que, embora venha embalada numa roupagem que indica revolução, as agências digitais são basicamente centrais de atendimento com funções bancárias, o que moveu parte das operações para outro tipo de ambiente.

“A agência digital foi criada e vendida como algo revolucionário, visionário e foi entregue um telemarketing ativo e receptivo de oito horas”, diz um funcionário do Itaú ouvido de forma anônima pelo Sindicado dos Bancários e Financiários de São Paulo, Osasco e Região.

“O resultado é catastrófico. Os clientes ficaram sem atendimento nas agências convencionais e os funcionários perderam muito em respeito, vida, saúde e carreira. São operadores de telemarketing trabalhando oito horas com headset e ai de quem levantar para conversar, ir ao banheiro ou tomar água. São monitorados e devem ficar logados o tempo todo.”

A pauta específica de reivindicações inclui jornada de 25 horas semanais, de segunda a sexta-feira, carga de trabalho equivalente à dos funcionários de agências físicas, priorização do pessoal do banco antes da abertura das vagas para trabalhadores terceirizados, e mais cuidado com o remanejamento de pessoal entre agências físicas e digitais, além de disponibilização gratuita de equipamento de trabalho.

O sindicato chama atenção ainda para a falta de acesso ao ambiente em que estão lotados os bancários das agências digitais. “A lista de desrespeitos que os funcionários denunciam ao sindicato é extensa, por isso a pauta de reivindicações da Campanha Nacional 2016 inclui cláusulas para melhorar as condições de trabalho nesses locais, onde o acesso de dirigentes sindicais é absurdamente proibido”, relata Ivone Silva, secretária-geral do sindicato.

A forma como as reivindicações vêm sendo apresentadas à sociedade, entretanto, tem prejudicado a imagem dos bancários junto à população. É possível encontrar pelas redes sociais reclamações sobre o fato de que as agências digitais estão sendo apontadas como vilãs. Essa insatisfação ocorre porque o modelo de negócios é mais barato e menos burocratizado que o tradicional, dois fatores que o fizeram cair nas graças dos clientes.

O Natal está chegando. Para aproveitar as melhores ofertas, baixe a extensão do Olhar Digital. Além da garantia do melhor preço, você ainda ganha descontos em várias lojas. Clique aqui para instalar.




RECOMENDADO PARA VOCÊ