Governo pressionará Google e Apple a abrir mercado de aplicativos

A Comissão Europeia, o braço executivo da União Europeia, publicou ontem um documento detalhando suas diretrizes para fortalecer o Mercado Único Digital europeu (ou DSM na sigla em inglês). Dentre as ideias anunciadas estão leis para lidar com reclamações de práticas de mercado injustas de empresas como o Google e a Apple.

Essa diretriz pode ter sido influenciada por uma carta aberta enviada recentemente à comissão por empresas como Spotify e Deezer. Nela, as empresas reclamavam que as gigantes da tecnologia responsáveis pelas lojas nas quais elas vendiam seus serviços (como a Apple e o Google) abusavam de seus poderes para promover seus próprios aplicativos em detrimento da concorrência.

No documento, os reguladores afirmam o seguinte: "Até o fim de 2017, a Comissão preparará instrumentos legislativos para abordar os problemas de possíveis cláusulas contratuais e práticas de mercado injustas identificadas nas relações plataforma-a-negócios". Em outras palavras, a autoridade pretende criar leis para regular a relação das lojas de aplicativos (Google Play e App Store) com as empresas que vendem seus apps por lá.

Mercado plural

De acordo com a Reuters, a Comissão baseou sua decisão nos primeiros dados obtidos por um estudo sobre as práticas de mercado dessas lojas iniciado no ano passado. O estudo mostrou que as lojas estavam excluindo aplicativos sem notificação prévia, restringindo o acesso das empresas a dados importantes sobre os usuários e o desempenho de seus apps e sendo pouco transparentes com os critérios usados nas suas ferramentas de busca.

O objetivo da autoridade com essa legislação é remover barreiras nesses serviços online, o que ajudaria empresas europeias a competir com as gigantes de tecnologia dos EUA. A lei ainda ajudaria a estabelecer critérios de práticas justas de mercado e medidas para melhorar a transparência das lojas de apps, além de criar um mecanismo legal para resolução de disputas.

Inicialmente, segundo a Reuters, a Comissão ainda estudava criar uma lei para determinar como as redes sociais deveriam agir para tirar do ar discursos de ódio. A ideia, no entanto, não foi levada a cabo. O documento publicado se limita a afirmar que a Comissão iria se comunicar de maneira mais eficaz com as redes para melhorar o processo de remoção de tais conteúdos e de eventual condenação dos responsáveis por disseminá-los.

Por outro lado, a EDiMA, associação comercial que representa os interesses da Apple, Amazon, Google e Facebook na região, se disse "decepcionada e surpresa" com o anúncio. Segundo os lobistas, as ideias expostas no documento "se desviam muito dos pensamentos progressistas emitidos pela Comissão em sua comunicação às plataformas em 2016".

Compras na Internet? Para aproveitar as melhores ofertas, baixe a nova extensão do Olhar Digital. Além da garantia do melhor preço, você ainda ganha descontos em várias lojas. Clique aqui para instalar.




RECOMENDADO PARA VOCÊ