LinkedIn adota modelo de férias "ilimitadas"

O LinkedIn irá adotar uma nova política de férias para os seus funcionários: a de férias "ilimitadas". Dessa forma, a pessoa que trabalha na rede social terá o controle de suas férias, decidindo se vai tirar um mês por ano, um dia por semana até completar o tempo, ou dois meses seguidos. Além disso, ele aumentará o número de feriados pagos, que de 13 por ano, passam a ser 17, sendo que os dias extras serão colocados no 4 de julho. 

Esse modelo de férias "ilimitadas", não é uma novidade, sendo usado por algumas empresas ao redor do mundo ( adotado inclusive aqui no Brasil). Apesar disso, não é comum uma mudança dessas ser feita por uma empresa do tamanho do LinkedIn, que tem mais de 8,7 mil empregados de período integral em 30 escritórios ao redor do mundo.

Como funciona?

Pat Wadors, do RH do LinkedIn, explicou que essa nova política dá ao funcionário o controle de suas férias, sendo que ele precisa administrar isso com as suas tarefas e apresentar resultados para a empresa. Em outras palavras, passa a tratar os seus empregados como pessoas responsáveis. 

Na postagem, o LinkedIn explica que os empregados deverão conversar com seus superiores para encontrar um período de tempo que não afete o trabalho e ofereça à pessoa o tempo que ela precisar. De acordo com a companhia, o objetivo é dar aos empregados a capacidade de atender às necessidades pessoais e, assim, melhorar o modo de trabalho. A nova política entra em vigor a partir de 1º de novembro.

Excesso de trabalho

Um estudo realizado pela organização WorldatWork mostra que o modelo alternativo de férias é adotado por apenas 2% das empresas do mundo. No geral, a cultura é de que quanto mais um funcionário trabalha, melhor é o seu desempenho. Nos Estados Unidos, por exemplo, a maior parte dos trabalhadores folga apenas metade do tempo de férias.

Conte para o seu chefe: férias ilimitadas aumentam a produtividade da empresa

 





RECOMENDADO PARA VOCÊ