Novo material permite criar próteses mais sensíveis que a pele humana

Cientistas da Monash University, na Austrália, conseguiram desenvolver sensores cuja sensibilidade supera a da pele humana. Os dispositivos, feitos com um elastômero de grafeno, poderão no futuro ser usado para criar mãos e braços prostéticos capazes de transmitir sensação de toque aos usuários. O trabalho foi divulgado na última edição do periódico Advanced Materials

A pesquisa está sendo realizada pelos professores Dan Li e Ling Qiu, do Monash Center for Anatomically Thin Materials (MCATM, centro Monash de materiais anatomicamente finos). Segundo o Phys.org, os dois cientistas se sentiram atraídos pela capacidade plástica do material: além de ser extremamente sensível a pressões, ele também volta à sua forma original mais rapidamente do que borracha ou espuma de poliuretano. 

Essas duas propriedades permitem que ele seja usado não apenas para criar sensores muito precisos, mas também que esses sensores sejam colocados em locais sujeitos a deformações e pressões. Assim, até mesmo as articulações de mãos prostéticas poderão ter sensibilidade.

De acordo com Qiu, "a sensibilidade e o tempo de resposta do G-elastômero [o nome do material] poderiam permitir uma mão robótica ou prostética muito mais hábil que as de humanos, e sua flexibilidade nos permitiria criar uma nova geração de dispositivos eletrônicos flexíveis". A pesquisa, contudo, ainda está em estágios iniciais, e deve levar alguns anos ainda antes de oferecer quaisquer produtos comercializáveis. 

Você faz compras Online? Não deixe de conferir a nova extensão do Olhar Digital que garante o preço mais baixo e ainda oferece testadores automáticos de cupons. Clique aqui para instalar.




RECOMENDADO PARA VOCÊ