Zuckerberg fora da presidência do conselho do Facebook?

Pressão aumenta para que fundador deixe o cargo

A pressão contra Mark Zuckerberg dentro do Facebook começa a aumentar. Mais investidores da companhia se juntaram a uma solicitação para que o fundador da empresa seja removido da função de presidente do conselho da companhia, sob a acusação de que estaria acumulando poder excessivo.

Segundo o site Business Insider, quatro grandes investidores do Facebook, que controlam mais de US$ 1 bilhão em ações da companhia, se juntaram a uma solicitação realizada pelo grupo Trillium Asset Management pedindo uma redução dos poderes de Mark Zuckerberg.

Os acionistas em questão são Scott Stringer, da Controladoria da cidade de Nova York; Michael Frerichs, tesoureiro do estado de Illinois; Seth Magaziner, tesoureiro do estado de Rhode Island, e Joe Torsella, tesoureiro do estado da Pensilvânia. Com esses nomes, o coro pela deposição de Zuckerberg começa a ganhar mais força.

Hoje, Mark Zuckerberg ocupa o cargo de CEO da empresa, mas também acumula a posição de presidente do conselho. O documento proposto pela Trillium em julho, diz que um CEO que também chefia o conselho pode exercer influência demais sobre conselheiros, enfraquecendo o poder de supervisão da gerência da companhia. Assim, o ideal seria que o executivo fosse substituído por um presidente independente do conselho do Facebook, como fazem empresas como Apple, Google, Microsoft e tantas outras.

Entre os gatilhos para que essa proposta ganhe força estão as crises enfrentadas recentemente pelo Facebook, o caso da tentativa de interferência russa nas eleições presidenciais dos EUA em 2016, o escândalo da Cambridge Analytica, a situação de Mianmar, onde atos de violência acabaram incitados por meio da rede social. O ataque hacker recente que permitiu o vazamento de informações pessoais de 30 milhões de usuário também não ajuda a situação de Zuckerberg.

O problema é que, apesar de o Trillium ter apoio, com 51% dos acionistas independentes votando a favor das mudanças, é praticamente impossível realizar qualquer mudança na organização do Facebook se Zuckerberg não quiser, graças à estrutura acionária da companhia.

Hoje, a companhia tem dois tipos de ações: Classe A e Classe B. As ações Classe B têm um poder de voto 10 vezes maior do que as Classe A. E, para dificultar ainda mais, Mark Zuckerberg controla 75% das ações Classe B, o que faz com que ele tenha controle praticamente total sobre as votações da empresa. Assim, ele só sairá de um dos cargos que ocupa se renunciar de forma voluntária.

Compras na Internet? Para aproveitar as melhores ofertas, baixe a nova extensão do Olhar Digital. Além da garantia do melhor preço, você ainda ganha descontos em várias lojas. Clique aqui para instalar.




RECOMENDADO PARA VOCÊ