Câmeras IP: conselhos para uma instalação eficiente

Montar uma rede adequada para câmeras de última geração exige equipamentos inteligentes e planejamento de todo o ambiente. Confira alguns pontos importantes que não podem ser esquecidos

Câmeras de segurança analógicas já são coisa do passado. As digitais, que utilizam a tecnologia IP, estão crescendo rápido, mais de 40% ao ano, e oferecem muito mais vantagens, como qualidade de imagem, conectividade, facilidade de instalação e menos necessidade de fios, já que, em muitos casos, o cabo de rede é capaz de fornecer a energia necessária para o equipamento, usando a tecnologia PoE.

No entanto, as novas câmeras impõem novos desafios. A partir do momento que as câmeras IP são conectadas, elas consomem banda da rede e podem chegar a interferir no funcionamento de outros aparelhos. Também pode acontecer o contrário: outros dispositivos conectados podem interferir no bom funcionamento das câmeras.

Por isso, é importante o uso de um equipamento inteligente e eficiente capaz de suportar as novas necessidades da rede, sem deixar que um aparelho atropele as necessidades dos outros. É aí que entra o QoS, para garantir que tudo funcione como deveria.

A sigla significa “Qualidade de Serviço” e, de forma resumida, é um conjunto de regras que permite que a rede defina a prioridade de tráfego para determinada informação (dados, voz ou vídeo) em função da aplicação desejada. Esta ordem pode ser feita pela identificação dos protocolos de comunicação, em arquiteturas com switches gerenciáveis, ou por tags de prioridade que devem ser configuradas diretamente nos equipamentos da ponta (câmeras, telefones etc), em soluções com switches não gerenciáveis com QoS.

Para que isso possa ser efetivo, é necessário que toda a estrutura da rede seja preparada para QoS. O equipamento de vídeo precisa ser compatível, assim como o switch utilizado para conectar as câmeras à rede e aos roteadores.

O switch, inclusive, deve oferecer capacidade para processar toda a banda utilizada para suportar a integração de várias câmeras. Esse detalhe é especialmente importante porque estamos falando de um tráfego contínuo e constante de dados, então o equipamento – e toda a rede em torno dele - precisam ser bem dimensionados e funcionando no estado da arte, muito próximo da perfeição.