Reprodução

Não é de hoje que se comenta sobre como a segurança da informação pode ser encarada de uma forma mais estratégica. Mas o desafio continua e, em boa parte das empresas, a área ainda é vista como mais um custo.

publicidade

Como sair do lugar comum? Como trazer a discussão a um nível que gere interesse entre todos?

Para mudar esse cenário precisamos de mais. É necessário falar com outras áreas da companhia para entender como elas veem o departamento de SI e, de nosso lado, como conseguimos nos posicionar para que a mensagem seja devidamente transmitida. Essencialmente, devemos achar um ponto em comum de interesse e preocupação.

Então, CFO, como você encara segurança da informação em seus investimentos? Existe um impacto importantíssimo no negócio caso um malware invada os sistemas da companhia e, por exemplo, simplesmente apague os últimos pedidos de compra registrados. Há, ainda, o reflexo de perdas de novos negócios se um site estiver fora do ar por muito tempo, ou se os dispositivos utilizados pela equipe de vendas ficarem indisponíveis por algumas horas.

E para você, CMO. Qual o peso que notícias de roubo de dados bancários dos seus clientes têm para a marca da empresa? Como garantir que a confiança seja restabelecida se o site da companhia for invadido e receber um banner com uma mensagem ridicularizando o negócio?

O custo de situações como essas é, muitas vezes, incalculável, mas a prevenção não é. Tem preço fixo, projeto de implantação e prazo de entrega. É inegável que a consciência sobre segurança tem maturidade em algumas indústrias mais e em outras, menos. Contudo, todos querem se cuidar. O grau de atenção e cuidado com a segurança da informação virá, fundamentalmente, do quanto vai ser possível ganhar com as ferramentas e o tanto que não será perdido.

Por isso, gostaríamos de ouvir o que vocês acham. Imagino que esses não tenham sido os primeiros exemplos dados a CFOs e CMOs. O que está faltando? Como nós, da indústria, podemos agir com mais proximidade entre todas as áreas de negócio? Fica o pedido, e fica, também, a reflexão.