Você já ouviu falar no Hyperloop? Trata-se de um meio de transporte terrestre ainda em fase de desenvolvimento que pode ser revolucionário, capaz de viajar a 1.200 km/h (mais rápido que um avião comum), com cápsulas que se movem dentro de tubos gigantes sustentados por pilastras. Curiosamente, uma das tecnologias que devem ajudar a tirar o projeto do papel será o vibrânio. O nome é familiar? Quem já assistiu a um filme do Capitão América conhece o nome. 

Exatamente. A empresa, criada por Elon Musk (conhecido por fundar a Tesla Motors, a SpaceX e o PayPal), anunciou uma parceria com a c2i, uma empresa de materiais da Eslováquia, que deu origem ao vibrânio, que será usado para revestir o interior e o exterior das cápsulas do Hyperloop. É provável que a decisão deixe ouriçados os advogados da Marvel, já que o nome é diretamente inspirado no material fictício usado no escudo do Capitão América e encontrado no (também fictício) país africano Wakanda.

publicidade

Ao contrário da ficção, o vibrânio da realidade é uma fibra de carbono com uma série de sensores que monitoram a temperatura, estabilidade e integridade. O objetivo é fornecer as informações em tempo real para a central, que pode identificar quando uma cápsula foi danificada e possibilita que ela seja tirada de circulação na próxima parada.

Se há alguma similaridade entre o vibrânio real e o da ficção é a resistência. A empresa afirma que o material é dez vezes mais resistente que o aço e cinco vezes mais leve que o alumínio, o que faz com que a fibra seja ideal para revestir o exterior e o interior do compartimento de passageiros.

A Hyperloop Transportation Technologies já tem um acordo com o governo eslovaco (o que explica a parceria com a c2i) para começar a construir o Hyperloop no país, e já está estudante duas potenciais rotas, que uniriam a capital Bratislava com Budapeste, a capital da Hungria, e Viena, capital da Áustria.

Via Engadget