EnglishPortugueseSpanish
publicidade

A Coreia do Norte é conhecida por ser um dos países mais fechados do mundo, governada pelo ditador Kim Jong-un. Mesmo sem contato com o resto do planeta, os cidadãos norte-coreanos têm internet e, agora, também uma rede social só para eles.

O site foi descoberto pelo instituto de pesquisa Dyn, responsável por monitorar a liberdade de acesso à internet ao redor do mundo. A página não tem nome, mas o layout e as cores são obviamente inspirados no Facebook.

publicidade

Rastreando a origem do site, o pesquisador Doug Madory descobriu que ele foi criado por alguém dentro da Coreia do Norte. Não há como saber se foi criação do governo de Kim Jong-un ou se trata de um projeto independente de algum cidadão.

Reprodução

A rede, porém, ainda parece estar em estágios iniciais de desenvolvimento. Boa parte dos botões e recursos estão em inglês, e não na língua oficial coreana, o que indica que a estrutura do site foi criada a partir do phpDolphin, um famoso clone do Facebook disponível em repositórios de códigos abertos.

As páginas de contato e políticas de uso estão ainda preenchidas com um texto genérico em latim, mas todo o restante da rede parece funcional. É possível enviar e receber mensagens, fazer posts de textos, fotos ou vídeos, seguir um feed de notícias e curtir ou compartilhar páginas.

publicidade

Reprodução

Além disso, a página está aberta para que pessoas de qualquer parte do mundo façam cadastro – pelo menos por enquanto. Outras pistas sobre a origem da rede social estão em seu endereço: starcon.net.kp. Como apurou o site Motherboard, Starcon é uma empresa da Coreia do Sul, e não do Norte, que desenvolve sites em inglês para startups.

Curiosamente, porém, a página da rede social norte-coreana não pode ser acessada usando uma VPN para a rede da Coreia do Sul. Isso acontece porque o país proíbe o acesso a qualquer site com domínio .kp, ligado à vizinha (e inimiga) do norte.

Embora a Coreia do Norte tenha banido Facebook, Twitter e YouTube da internet local em abril deste ano, não seria a primeira vez que um regime fechado cria seu próprio clone do Facebook. Cuba, por exemplo, também tem uma versão da rede social que só funciona na ilha.

Via Motherboard