EnglishPortugueseSpanish
publicidade

Testes de queda são particularmente interessantes quando se trata de smartphones tops de linha. Afinal, usuários investem uma quantia imensa de dinheiro nesses aparelhos, e esperam poder fazer seu investimento sobreviver ao menos a alguns tombos mais dramáticos.

Esse foi um dos motivos que levou o canal do Youtube PhoneBuff a comparar a durabilidade de dois dos dispositivos mais caros no mercado atualmente: o iPhone 6s, da Apple, e o Galaxy S7, da Samsung. No vídeo abaixo, você pode ver como os aparelhos se saíram:

publicidade

Metodologia

Os testes conduzidos pelo site tem o seguinte formato: os aparelhos são derrubados uma vez sobre suas costas, uma vez sobre sua parte inferior, uma sobre o lado e uma sobre a tela. Considera-se que os aparelhos sobreviveram à sequência de quedas se depois delas eles ainda conseguirem realizar uma ligação de emergência.

Caso sobrevivam a essas primeiras quatro quedas, eles passam então para uma “fase bônus”. Nessa fase, eles são derrubados com a tela voltada para o chão quantas vezes for necessário até que ele pare de ser capaz de realizar ligações de emergência.

publicidade

Resultado

A primeira diferença entre os dois aparelhos aparece logo na primeira queda: enquanto o iPhone 6s se safa com apenas alguns arranhões na traseira, a traseira de vidro do Galaxy S7 fica completamente estraçalhada. Ao cair sobre a parte inferior e sobre o lado, os dois dispositivos sofrem poucos danos.

Quando caem com a tela voltada para o chão, no entanto, eles voltam a se diferenciar: a tela do iPhone 6s racha, mas o aparelho continua funcionando. A do Galaxy S7, por sua vez, não apenas racha como também deixa de funcionar.

O iPhone 6s ainda aguenta outros 4 tombos com a tela voltada para o chão antes de deixar de funcionar. No quinto tombo, ele jogou a toalha. É um resultado bastante positivo: o único aparelho testado pelo canal que resistiu a mais que isso foi o HTC 10, da fabricante chinesa HTC, que levou impressionantes 32 quedas de “cara” no chão até parar de funcionar.

Não é a primeira vez que os dois aparelhos são “torturados”: outras comparações entre os dois dispositivos também envolveram, por exemplo, congelar os dispositivos dentro de um vasilhame cheio de Coca-Cola.