EnglishPortugueseSpanish
publicidade

O Spotify lançou hoje o Spotify Gaming, um serviço voltado apenas para as trilhas sonoras de jogos. E embora a criação de um canal específico para esse gênero possa parecer estranha, fãs dos games sabem que há muito para se amar nas canções que sonorizam seus jogos favoritos.

Para marcar a estreia do canal, selecionamos abaixo dez trilhas sonoras de jogos imperdíveis que já estão na plataforma. Quer você prefira sutis composições eletrônicas, quer sejam os grandiosos arranjos orquestrais que mais lhe agradem, com certeza há algo na lista abaixo que agradará seus ouvidos. 

publicidade

Confira:

Chrono Trigger

Parte da razão pela qual Chrono Trigger é considerado um dos melhores jogos já lançados é a sua trilha sonora inesquecível, que até hoje ainda é tocada por orquestras em eventos no mundo todo. O serviço do Spotify não tem a trilha completa, mas tem uma seleção interessante, com o tema principal do jogo, o animado tema de Frog e a inesquecível “secret of the Forest”, melodia relaxante que povoa as florestas do mundo do jogo.

Dead Space

publicidade

Com o tempo, a série Dead Space foi se voltando mais para ação do que para terror. Mas basta ouvir a extremamente dissonante e desorientadora trilha sonora original do primeiro jogo para se lembrar do quão aterrorizante era navegar pelos corredores escuros da Ishimura. Com ataques de cordas e toques eletrônicos sutis, a trilha de Jason Graves é quase tão assustadora quanto o jogo em si.

Rayman Legends

A série de jogos de Rayman é extremamente musical, e embora Origins, o último jogo da série, tenha alguns dos melhores exemplos disso, Legends não fica muito atrás. Com instrumentos exóticos, ritmos dançantes e vozes engraçadas, a trilha sonora original composta por Christophe Héral funciona maravilhosamente bem com os níveis coloridos e a jogabilidade ágil do game – mas não perde em nada ao ser aproveitada por si só.

Super Meat Boy

A trilha sonora de Super Meat Boy bebe das mesmas fontes que sua jogabilidade: os clássicos jogos de plataformas das décadas de 80 e 90. E ela não fica longe, em termos de qualidade, dos clássicos que a inspiraram. Os teclados, batidas eletrônicas e sintetizadores da trilha sonora homenageiam a época tanto quanto o jogo em si. Alguns dos destaques das suas 50 faixas são “The Battle of Lil’ Slugger” e “Betus Blues”.

Mega Man

A criatividade e a diversidade dos chefões de cada um dos jogos de Mega Man são igualadas apenas pelas das músicas do jogo. O novo serviço do spotify inclui uma seleção com 42 faixas que mostram um pouco do pop eletrônico agitado tão central aos jogos. Em um jogo onde morrer é tão comum, o fato de que as músicas se repetem centenas de vezes sem encher o saco é prova da sua qualidade.

Sword & Sorcery LP: The Ballad of The Space Babies

Um “clássico” indie, Superbrothers: Sword & Sorcery também usa a música e os efeitos sonoros como uma forma de contar sua história e desenvolver seus personagens. Composta por Jim Guthrie, a trilha vai desde faixas silenciosas e misteriosas até composições surpreendentemente belas e envolventes

Braid

Quem já jogou Braid certamente se lembra da melodia de violino que acompanhava os primeiros segundos do jogo. A faixa ajudava a incentivar os jogadores a desbravarem os complexos quebra-cabeças temporais do jogo, e também trazia de volta o aspecto humano e emotivo por trás da curiosa mecânica de “voltar o tempo” em cima da qual toda sua jogabilidade é construída. Esse é apenas um dos momentos emocionantes que a trilha sonora do jogo proporciona.

The Witcher 3: Wild Hunt

Considerado um dos melhores jogos do ano, The Witcher 3: Wild Hunt tem uma trilha sonora a altura. Desde as vastas sonoridades orquestrais que ilustram as paisagens amplas que o jogador pode percorrer, passando pelas composições movimentadas dos momentos de combate até a maravilhosa balada que sonoriza um episódio central do jogo, há incrível variedade e profundidade nessa trilha.

Journey

A trilha sonora de Journey traz dois dos fatores que ajudaram o jogo de menos de 3 horas de duração a ser considerado, por diversos sites, o melhor jogo de 2012: brevidade e excelência. Com apenas seis faixas e 27 minutos, a trilha sonora é bastante curta, mas cada segundo dela é impactante. O personagem principal de Journey não falava, e era em grande parte graças à música do jogo que os jogadores se afeiçoavam tanto a ele.

Fez

Um ser de um mundo estranho que subitamente descobre a terceira dimensão: é isso que a trilha sonora de Fez tenta (e consegue) retratar. Plácidas composições eletrônicas com sons analógicos e toques retrôs dão o tom para o tranquilo jogo de exploração e quebra-cabeças de Phil Fish. Coloque-a para tocar e tente não se perder.