A Internet das Coisas já é realidade e, aos poucos, vai se aproximando do consumidor e passa a fazer parte de seu dia a dia. Produtos como carros que andam sozinhos, geladeiras que fazem compras, sensores de economia de energia e relógios inteligentes já são realidade. Apesar de facilitar a vida do usuário, essa tecnologia requer atenção e uma série de mudanças no comortamento das pessoas.

“A Internet das Coisas vai exigir uma mudança de comportamento em relação à segurança da informação. Um hacker poderia alterar a configuração de componentes de segurança – como o sistema de freios ou airbags – e exigir o pagamento de um resgate para retorná-los à configuração original, alterar a temperatura interna da casa ou até mesmo usar a geladeira como canal para acessar dados confidenciais guardados no computador pessoal”, explica José Matias Neto, diretor de suporte técnico da Intel Security. Confira abaixo 6 dicas para evitar dores de cabeça:

publicidade

1. Avalie os critérios de segurança antes de instalar um dispositivo inteligente em casa ou baixar algum aplicativo
Procure saber, por exemplo, quais são as configurações de segurança e quais os dados aos quais o dispositivo terá acesso.

2. Mantenha sistemas operacionais, softwares e apps sempre atualizados
Manter todos os dispositivos e sistemas atualizados ajuda a proteger o usuário de malwares e ataques ransomware. As atualizações corrigem vulnerabilidades e bugs e podem deixar o produto funcionando ainda melhor.

3. Fique atento às informações compartilhadas e links desconhecidos
O phishing ainda é a modalidade mais usada pelos criminosos para espalhar malwares. Nunca abra e-mails ou mensagens de remetentes desconhecidos, não clique em links recebidos por e-mail, mensagem de texto ou via rede social e não faça download de arquivos suspeitos recebidos.

4. Crie senhas complexas e use a biometria a seu favor
Usar uma senha com, no mínimo, 10 caracteres, incluindo letras, números e caracteres especiais é uma boa dica para aumentar a segurança. É possível também associar funções biométricas à identificação pessoal.

5. Não escolha a opção mais barata
Quando se trata de segurança, não escolha a opção com o menor custo. Em alguns casos, o barato pode sair caro. Se o dispositivo é muito barato, pode ser que elementos importantes tenham sido cortados no processo de concepção.

6. Tenha uma solução de segurança instalada em todos os dispositivos
Programas como antimalware, antispam e filtro de web serão cada vez mais necessários em todos os dispositivos, incluindo os eletrodomésticos.