EnglishPortugueseSpanish
publicidade

A Samsung já emitiu uma ordem de recall e também pediu que os consumidores não façam uso do Galaxy Note 7, seu mais novo top de linha que, por conta de um defeito na bateria, tem explodido nas mãos de clientes, incendiando casas e carros, segundo alguns relatos.

Mas nem todo mundo parece ter se preocupado com os avisos da fabricante. Uma pesquisa divulgada nesta semana pelo instituto Apteligent revelou que o número de dispositivos Galaxy Note 7 ativos em todo o mundo quase não mudou nas últimas semanas, mesmo com o risco iminente de explosão.

publicidade

O gráfico divulgado pela empresa exemplifica bem o que acontece. A linha azul ascendente mostra o número de dispositivos entrando em atividade após o lançamento oficial, em agosto deste ano.

Reprodução

O ponto amarelo indica o primeiro caso de Galaxy Note 7 explodindo. O sinal de duas setas curvas indica o momento em que a Samsung anunciou o recall do aparelho. Repare que a taxa de celulares ativos teve algumas alterações, mas quase insignificantes diante da gravidade do defeito.

A Samsung já anunciou uma atualização de software que pode ajudar a diminuir as chances de o Galaxy Note 7 explodir, limitando a recarga da bateria a até 60%. O update, porém, não é uma solução definitiva.

publicidade

Via ZDNet