Reconhecer distâncias, mesmo com um olho fechado, é uma tarefa simples para os seres humanos, mas não para os robôs. Para ajudar a eliminar essa dificuldade, pesquisadores da Universidade Técnica de Delft e da Agência Espacial Europeia estão trabalhando em um sistema capaz de determinar distâncias mesmo se houver problema em um dos olhos do robô.

Os sistemas de visão computacional tendem a se basear em fatos: a informação de profundidade de câmeras é geralmente complementada por um motor de reconhecimento de objetos que é limitado. “Existe uma impossibilidade matemática em extrair distâncias de objetos em uma única imagem, se o objeto não foi encontrado antes”, explica Guido de Croon, um dos pesquisadores. No entanto, se o sistema reconhece algo como um carro, ele consegue compreender suas características físicas e usar esses dados para estimar uma distância corretamente.

publicidade

Os pesquisadores realizaram testes na Estação Espacial Internacional, equipando um drone que trabalha em ambientes de microgravidade, com câmeras que funcionavam como olhos. O dispositivo tinha que andar pelo ambiente com duas fontes de visão e com apenas uma, em uma tentativa de estabelecer as distâncias corretamente e se movimentar sem problemas.

Em seguida, o robô começou a aprender sobre distâncias entre as paredes e obstáculos nas proximidades. Assim, mesmo com uma câmera desligada, ele poderia se mover sem dificuldades usando apenas um “olho”.

Os responsáveis pela pesquisa afirmam que é preciso aprimorar o sistema, mas que ele traz boas perspectivas.

Via TechCrunch