EnglishPortugueseSpanish
publicidade

De acordo com o estudo IDC Brazil Mobile Phone Tracker Q2, os meses de abril a junho de 2016 viram o mercado brasileiro de celulares voltar a crescer. Nesse período, foram vendidos 12,044 milhões de aparelhos, número 23,1% maior que o do trimestre anterior. Ainda assim, o número fo 1,7% menor que o do segundo trimestre do ano passado. 

Esse número inclui tanto smartphones quanto “feature phones” – aparelhos mais simples, sem sistema operacional. Separadamente, foram vendidos 10.779 milhões de smartphones e 1.265 milhões de “feature phones”.

publicidade

Analisado separadamente, o mercado de smartphones cresceu 16,6% entre o primeiro e o segundo trimestre de 2016, mas diminuiu 4,8% na comparação com o segundo semestre de 2015. Isso revela que a venda de celulares mais simples acabou segurando o mercado.

Valor acima da média

Outro dado que reforça essa interpretação é o valor médio gasto por consumidores em celulares. No primeiro trimestre desse ano, quem comprou um celular novo gastou R$ 1152 em média; no segundo semestre, esse valor caiu para R$ 1045. Como os smartphones são mais caros que os “feature phones”, faz sentido que a venda de “feature phones” tenha aumentado. Ainda segundo o estudo da IDC, 64,2% dos smartphones vendidos atualmente ficam na faixa de preço de R$ 500 a R$ 1000.

Também é interessante notar que, apesar da maioria dos aparelhos vendidos ficarem na faiza de preço de R$ 500 a R$ 1000, o valor médio gasto por comprador de smartphone ficou acima de R$ 1000. Isso revela que os outros 35,8% de smartphones vendidos tinham preço tão superior a essa faixa que acabaram elevando a média. De fato, entre o primeiro semestre de 2015 e 2016, a venda de smartphones com preço maior que R$ 3000 cresceu 110,6%

publicidade

Menos vendas, mais receita

Mesmo com essa redução nas vendas, o mercado não está ruim para as empresas. Só no segundo semestre, o mercado brasileiro de celulares movimentou R$ 11,4 bilhões. Esse valor é 10% superior ao do primeiro semestre de 2016, e 15,7% superior ao do segundo trimestre de 2015. Com isso, revela-se uma realidade curiosa no mercado: mesmo com a redução nas vendas, a receita das empresas vem aumentando.

Para o ano de 2016, a IDC espera que o número de celulares comercializados chegue a 40,3 milhões. Segundo o analista de pesquisa da IDC no Brasil, Diego Silva, o dólar estável deve favorecer a venda de aparelhos durante a Black Friday e o Natal.