EnglishPortugueseSpanish
publicidade

Após pedir ajuda no Twitter e até mesmo considerar a possibilidade de sabotagem, Elon Musk, o CEO da SpaceX, diz finalmente saber o que causou a explosão de seu foguete Falcon 9 em setembro. A explosão provocou também a destruição de um satélite do Facebook que estava a bordo do foguete que seria colocado em órbita por ele.

Em um discurso à National Reconnaissance Office no dia 13 de outubro, Musk disse que o problema poderia ser a temperatura do oxigênio líquido que é usado para impelir o foguete. Ontem, durante uma entrevista à CNBC, o CEO da SpaceX voltou a esse tema: segundo ele, o problema foi “oxigênio tão frio que ele entra em estado sólido”.

publicidade

Oxigênio sólido

Os foguetes da SpaceX usam oxigênio líquido como parte da reação de combustão que os impele até o espaço. Para ficar em estado líquido, o oxigênio precisa ser resfriado até uma temperatura muito baixa: menos de -183ºC. Para isso, os foguetes da empresa usam vasos carregados com hélio líquido em torno dos reservatórios de oxigênio, segundo o The Verge.

Hélio líquido, por sua vez, só existe a temperaturas inferiores a -268,9ºC – perto do zero absoluto. Por ser tão gelado, o hélio líquido que circula nos vasos de fibra de carbono consegue manter o oxigênio em estado líquido também. Esse hélio também é usado para preencher e pressurizar o tanque quando o oxigênio líquido sai dele.

No entanto, é possível que o hélio líquido tenha esfriado o oxigênio o suficiente para torná-lo sólido. O oxigênio se solidifica a – 218ºC aproximadamente. O oxigênio solidificado, por sua vez, poderia ter reagido o carbono da fibra de carbono que reveste os vasos, provocando então a explosão que destruiu o foguete.

publicidade

Pós-explosão

Durante a entrevista, Musk comentou que esse foi “o quebra-cabeças mais difícil que nós [a SpaceX] já tivemos que resolver”. Essa sequência de eventos que provocou a explosão foi “um problema que nunca tinha sido visto antes na história dos foguetes”, de acordo com Musk, e por isso que a empresa levou tanto tempo para resolver a questão.

Resolvida a questão, o CEO da SpaceX já pensa em voltar à programação normal de lançamentos dos seus foguetes. “Vamos estar voando novamente na metade de dezembro”, disse ele à CNBC. Ao que parece, os planos da empresa de levar humanos a Marte a partir de 2024 estão mantidos. Durante a mesma entrevista, Musk ainda argumentou que o avanço tecnológico obrigará a adoção de políticas de renda universal básica.