Um grupo de pesquisadores brasileiros e americanos se debruçou sobre o comportamento das crianças no YouTube para tentar entender como a plataforma lida com a presença de um tipo de usuário que, a rigor, muitas vezes nem deveria estar circulando por lá.

O estudo envolveu gente da Universidade Federal de Minas Gerais, da Universidade do Estado do Rio de Janeiro e de Harvard. Eles analisaram 12.848 vídeos de 17 canais nos Estados Unidos e Reino Unido e outros 24 no Brasil, além de 14 milhões de comentários. Só os canais em inglês tinham mais de 37 bilhões de visualizações.

publicidade

“Com base em uma combinação de análise textual e ferramentas de reconhecimento facial, mostramos a presença de viés racial e de gênero na nossa grande amostra de usuários”, diz o estudo (que pode ser lido, em inglês, aqui). “Também identificamos crianças usando o YouTube ativamente, embora a idade mínima para usar o serviço seja de 13 anos na maioria dos países.”

Essa é a regra para os EUA, por exemplo, mas na Espanha e na Coreia do Sul o site só pode ser usado por quem esteja acima de 14 anos. Na Holanda, a restrição é ainda maior: 16 anos; só que o nosso país é o mais severo. “No Brasil, (…) o uso do YouTube é restrito àqueles acima de 18 anos, de acordo com os termos de serviço da plataforma, que são claros em afirmar que o YouTube não é apropriado para jovens abaixo de 18 anos”, dizem os pesquisadores.

A questão é que a base de financiamento do YouTube é a publicidade, “o que torna a propaganda ubíqua no dia a dia das crianças”. “Como consequência”, segue o documento, “várias questões sobre o papel da publicidade na vida da criança surgem. Que formas de propaganda as crianças encontram na internet? Como as crianças reagem à publicidade online?”

Algumas formas de anúncio potencialmente danosas foram identificadas pelos pesquisadores, que fazem o alerta: “Há estratégias de marketing que miram crianças no YouTube com publicidade disfarçada de outro conteúdo.” Um exemplo são os “advergames”, jogos criados para promover uma empresa ou seus produtos, e também publicidade de comidas e bebidas pouco saudáveis — coisas que a legislação brasileira não tolera justamente porque as crianças muitas vezes não têm discernimento para entender o que é entretenimento puro e o que é propaganda.

Em nota enviada ao Engadget, o Google lembrou que, por ser oferecido gratuitamente, o YouTube depende da publicidade para se sustentar. “Usuários abaixo de 13 anos deveriam usar o YouTube Kids — um app gratuito desenvolvido para famílias —, que exclui certas categorias de publicidade para garantir uma experiência apropriada de acordo com a idade”, afirma a empresa.